Portal do Governo Brasileiro
Início do Conteúdo
VISUALIZAR AULA
 


A evolução moral e ética e seus reflexos na sociedade contemporânea

 

15/05/2010

Autor e Coautor(es)
ROSANGELA MENTA MELLO
imagem do usuário

TELEMACO BORBA - PR WOLFF KLABIN CE E FUND MED NOR E PROF

Eziquiel Menta

Estrutura Curricular
Modalidade / Nível de Ensino Componente Curricular Tema
Ensino Médio Sociologia Estudo das sociedades humanas
Ensino Médio Filosofia Ética
Ensino Médio História Cultura
Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula

Compreender o caráter histórico-social da moral e o caráter pessoal, se posicionando filosoficamente, com argumentos convincentes.Estabelecer relações da moral com a ética, compreendendo os conceitos à luz da filosofia.Refletir, com base no texto "O novo manifesto", de Lima Barreto, do início do século XX,  sobre a realidade do mundo político de hoje.

Duração das atividades
4 horas-aula
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno

PRÁTICA SOCIAL INICIAL   

Sugerimos que o Professor, antes de iniciar as atividades propostas, nesta aula, faça um diagnóstico com sua turma, o que segundo o Professor João Luiz Gasparin – UEM chama de Prática Social Inicial do Conteúdo.Proponha o estudo deste tema e levante junto aos estudantes as suas vivências do conteúdo, isto é, anote o que já sabem sobre o tema a ser trabalhado e o que gostariam de saber sobre o assunto em pauta. Teremos uma visão geral dos conhecimentos empíricos da turma, seus desejos e curiosidades, possíveis erros conceituais que deverão ser trabalhados no decorrer das atividades.

Estratégias e recursos da aula

Segundo o Professor João Luiz Gasparin – UEM a problematização é um desafio, ou seja, é a criação de uma necessidade para que o educando, através de sua ação, busque o conhecimento. É importante o professor apresentar alguns desafios para motivá-los a refletirem sobre o tema. Neste momento não há necessidade de responder as questões, mas de apresentá-las. As mesmas serão discutidas no contexto da aula.

PROBLEMATIZAÇÃO

Sugerimos os seguintes questionamentos:

  1. Que tipo de valores você percebe no mundo que o cerca?
  2. Você concorda com eles?O que é caráter histórico-social da moral e o caráter pessoal?
  3. O que é moral?
  4. Quais as relações entre a filosofia, a moral e a ética?
  5. Como situa o mundo político na atualidade em relação aos conceitos de moral e ética?

Além destes pontos os estudantes vão levantar outros que gostariam de estudar, mas nem sempre podemos trabalhar tudo, então se devem selecionar com o grupo os principais problemas a serem discutidos nas aulas a seguir, de acordo com as atividades propostas para cada momento da aula. Sugerimos que essa atividade seja trabalhada de forma interdisciplinar, em conjunto com outras disciplinas, de acordo com as dimensões a seguir (o objetivo desta atividade é levar tanto o professor, como o estudante perceber que o tema pode e deve ter várias dimensões, relações com outros conteúdos e disciplinas):

  1. Dimensão filosófica: O que é moral? O que é ética? Qual a característica do ato voluntário? Que filósofos discutem este tema?                              
  2. Dimensão social: Como as sociedades se organizam em função da moral e da ética? Existe uma única moral no tempo e no espaço?                                  
  3. Dimensão histórica: Na evolução da sociedade humana o homem vem construindo diferentes pontos de vista sobre a moral e a ética: como isto tem interferido no modo de viver das pessoas? No conceito de liberdade? Nas relações de poder? 

INSTRUMENTALIZAÇÃO:

Vamos iniciar a aula analisando a seguinte imagem, postada no picasa sobre a evolução do homem. 

FONTE: http://picasaweb.google.com/lh/photo/bmpNvitN3z4-ptSRwOZTgQ acessada em 27/03/2010   Atividade 2 Roteiro de discussão: 

 

Atividade 1

Roteiro de discussão:

  1.  Quem é o personagem central da imagem?
  2.  O que ele está fazendo sempre?
  3.  Como ele se relaciona com a natureza e os produtos da sociedade?
  4.  Qual a forma de conviver, de comunicar, de se organizar desde a era da pedra à era do computador?
  5.  Que mensagem o autor desta imagem quis transmitir?
  6.  Você concorda com o autor?

 

Após as discussões com a turma, é importante que seja anotado a síntese das idéias do grupo.   

 

Relembrando...

 

A nossa sociedade construiu ao longo de séculos um conjunto de regras e valores que determinaram o comportamento dos indivíduos, para que haja condições de convivência comum.

Segundo Aranha; Martins, 1986, p.  303, “exterior e anterior ao indivíduo, há uma moral constituída, que orienta seu comportamento por meio de normas. Em função da adequação ou não à norma estabelecida, o ato será considerado moral ou imoral.” Desta forma, podemos considerar que a organização social depende deste conjunto de normas para se estabelecer. Segundo as autoras o ser humano é capaz de produzir interdições.  Com a passagem da natureza à cultura, os usos e costumes são produzidos passam a ser regulamentados pelas leis, desta forma, surge à moral para garantir a boa convivência entre os indivíduos.

Fazendo um contraponto com a imagem apresentada acima, sobre a evolução do homem, podemos dizer que sempre existiram relações de poder entre os homens desde o início da humanidade.   

Vamos recordar as questões levantadas na problematização:

  1. Que tipo de valores você percebe no mundo que o cerca? Você concorda com eles?
  2. O que é caráter histórico-social da moral e o caráter pessoal? O que é moral?
  3. Quais as relações entre a filosofia, a moral e a ética?
  4. Como situa o mundo político na atualidade em relação aos conceitos de moral e ética?

 

Atividade 2:   

 

Observando os costumes, percebemos que estamos sempre olhando as pessoas e as coisas avaliando, emitindo juízos de valor sobre cada situação. Professor! Passe no quadro de giz as seguintes questões para a discussão, de preferências em grupos:

 

  1. Com base em que valores julgam o que acontece ao seu lado?
  2. Quais são os valores que predominam em sua comunidade? Você concorda com eles, discorda, por quê?
  3. Pelas discussões anteriores percebemos que os valores morais variam de uma sociedade para outra e de uma época para outra. O que é moral para você?
  4. Existem ou não valores morais válidos para todos os homens?
  5. Como justificar a classificação das ações em moralmente corretas ou incorretas, justas ou injustas, boas ou más?

 

A partir destes questionamentos, solicite que se organizem em grupos de até 5 alunos para discutirem as questões, anotarem a síntese e apresentar para a turma após 20 minutos de discussão. Vamos ouvir a fala dos estudantes e ao final organizar uma sintese integradora das atividades até o presente.

SUGESTÃO: Outra atividade interessante é a organização de um glossário de termos que os estudantes irão se apropriar ao longo das aulas de Filosofia. Para esta atividade, sugerimos a visita a sites que disponibilizam glossários on-line, onde os estudantes poderão conhecer a sua organização para que se organizem. Este glossário pode ser realizado no caderno do aluno, no final das páginas. Em um edital na sala, onde vão se acrescentando palavras a medida que descobrem o seu significado filosófico, ou mesmo on-line, usando servidores de escrita colaborativa (maiores informações em http://portaldoprofessor.mec.gov.br/links_interacao.html?categoria=204

 

DICIONÁRIO ESCOLAR DE FILOSOFIA. Disponível em: http://www.defnarede.com/ acessado em 11/04/2010.

 

Passe no quadro de giz a citação abaixo para discussão:

 

O aumento do grau de consciência e de liberdade, e, portanto de responsabilidade pessoal no comportamento moral, introduz um elemento contraditório que irá o tempo todo, angustiar o homem: a moral, ao mesmo tempo em que é um conjunto de regras que determina como deve ser o comportamento dos indivíduos de um grupo, é também a livre e consciente aceitação das normas. (ARANHA; MARTINS, 1986, p.  304)

Percebemos que uma atitude somente será moral se estiver de acordo com nossa opinião, nossas idéias, nossa aceitação pessoal da norma.  Somente livres poderemos agir de acordo com nossa consciência, com responsabilidade nas decisões tomadas. Este é o caráter pessoal da moral. Quando nos referimos ao caráter social e pessoal da moral, poderemos agir de acordo com o dogmatismo ou legalismo (ARANHA; MARTINS, 1986, p. 304), fortalecendo a lei, mas ao mesmo tempo, incutindo nas pessoas o medo a não-observância da lei. Se aceitarmos o individualismo, corremos o risco em não haver mais a moral, uma vez cada ser humano poderá impor seus desejos e vontades, ou seja, na ausência de princípios.

A partir do momento que o homem passa a viver no mundo moralmente estruturado, este deve se apropriar de uma consciência moral, orientando suas escolhas e seu discernimento.  O agir humano é caracterizado pela capacidade de antecipar-se ao resultado a ser alcançado, tornando o ato moral propriamente voluntário. Neste sentido o ser humano possui o desejo e a vontade. Sendo o desejo algo natural do ser humano, mas deve ser controlado, para que não seja negada a moral.

A complexidade do ato moral reside no fato que ele provoca efeitos não só na vontade, mas naqueles que a cercam e na própria sociedade como um todo  [...] para que um ato seja considerado moral, ele deve ser livre, consciente, intencional, mas também é preciso que não seja um ato solitário. (ARANHA; MARTINS, 1986, p. 307)

Para ilustrar o texto apresentado, vamos ouvir este áudio do Portal do Professor:

     

  1. Recurso: Temas recorrentes na literatura: corrupção e ética: parte 1 [Categorias Literárias] ·        
  2. Objetivo do recurso: Abordar o descompasso da evolução técnica e científica em relação à evolução moral e ética. Propor reflexão crítica sobre a temática. Relacionar literatura, aspectos gramaticais e processo histórico.
  3. Link: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnica.html?id=9970

 

Reproduzimos o texto “O novo manifestado” publicada em Vida Urbana de Lima Barreto:

 

Eu também sou candidato a deputado. Nada mais justo. Primeiro: eu não pretendo fazer coisa alguma pela pátria, pela família, pela humanidade. Um deputado que quisesse fazer qualquer coisa dessas, ver-se-ia bambo, pois teria, certamente, os duzentos e tantos espíritos dos seus colegas contra ele. Contra as suas idéias levantar-se-iam duas centenas de pessoas do mais profundo bom senso. Assim, para poder fazer alguma coisa útil, não fará coi­sa alguma, a não ser receber o subsídio. Eis aí em que vai consistir o máximo da minha ação parlamentar, caso o preclaro eleitorado sufrague o meu nome nas urnas. Recebendo os três contos mensais, darei mais conforto à mu­lher e aos filhos, ficando mais generoso nas facadas aos amigos. Desde que minha mulher e os meus filhos passem melhor de cama, mesa e roupas, a humanidade ganha. Ganha, porque, sendo eles parcelas da humanidade, a sua situação melhorando, essa melhoria reflete sobre o todo de que fazem parte. Concordarão os nossos leitores e prováveis eleitores, que o meu propósito é lógico e as razões apontadas para justificar a minha candidatura são bastante ponderosas. De resto, acresce que nada sei da história social, política e intelectual do país; que nada sei da sua geografia; que nada entendo de ciências sociais e próximas, para que o no­bre eleitorado veja bem que vou dar um excelente deputado. Há ainda um poderoso motivo, que, na minha consciên­cia, pesa para dar este cansado passo de vir solicitar dos meus compatriotas atenção para o meu obscuro nome. Ando mal vestido e tenho uma grande vocação para elegâncias. O subsídio, meus senhores, viria dar-me elementos para realizar essa minha velha aspiração de emparelhar-me com a deschanelesca elegância do senhor Carlos Peixoto. Confesso também que, quando passo pela Rua do Passeio e outras do Catete, alta noite, a minha modesta vaga­bundagem é atraída para certas casas cheias de luzes, com carros e automóveis à porta, janelas com cortinas ricas, de onde jorram gargalhadas femininas, mais ou menos falsas. Um tal espetáculo é por demais tentador, para a minha imaginação; e, eu desejo ser deputado para gozar esse paraí­so de Maomé sem passar pela algidez da sepultura. Razões tão ponderosas e justas, creio, até agora, nenhum candidato apresentou, e espero da clarividência dos homens livres e orientados o sufrágio do meu humilde nome, para ocupar uma cadeira de deputado, por qualquer Estado, pro­víncia, ou emirado, porque, nesse ponto, não faço questão alguma. Às urnas. Correio da Noite, Rio, 16-1-1915.  

FONTE:  WIKISOURCE. O novo manifesto. Disponível em: http://pt.wikisource.org/wiki/O_novo_manifesto acessado em 27/03/2010 

Atividade 3:   

ROTEIRO DE DISCUSSÃO:

  1. Qual o tema apresentado no áudio?
  2. Através da literatura o autor apresenta situações práticas de ética e moral. Quais as conclusões que podemos tirar deste recurso?
  3. Por que há um descompasso entre a evolução técnica e científica em relação à evolução moral e ética?

 

A partir das discussões levem os estudantes perceberem que a consciência moral é a faculdade de observar a própria conduta e formular juízos sobre os atos passados, presentes e as intenções futuras. Na filosofia prática, a ética busca aplicar o conhecimento sobre o ser para construir aquilo que deve ser.  

CATARSE:   

Atividade 4:

 

Momento em que o aluno se aproxima da solução do problema. É quando o conteúdo empírico se torna científico. Elaboração teórica da síntese, da nova postura mental. Para que o estudante expresse o pensamento elaborado, deverá produzir um texto dissertativo sobre o tema proposto na aula, onde deverá constar:

 

  1. O conceito de moral, de ética, a característica do ato voluntário. A organização das sociedades em função da moral e da ética. A moral no tempo e no espaço.                          
  2. Na evolução da sociedade humana o homem vem construindo diferentes pontos de vista sobre a moral e a ética: como o estudante percebe isto no modo de viver das pessoas, no conceito de liberdade, nas relações de poder. 

 

PRÁTICA SOCIAL FINAL DO CONTEÚDO:   

Atividade 5:     

 

  1. Após as discussões sugerimos que os estudantes passem a observar a comunidade em que vivem, analisando as concepções de moral e ética. Se possível, entrevistem diferentes pessoas, inclusive da comunidade escolar para saber o que pensam ser a moral e a ética.
  2. Propomos a construção de um glossário on-line ou em um painel (cartazes) na sala de aula, de termos utilizados nesta série de aulas sobre ética. Estes termos podem ser ilustrados com desenhos, charges, histórias em quadrinhos, casos pitorescos... Desta forma todos podem ter acesso a este material e compreender as idéias apresentadas.

 

REFERÊNCIAS:   

 

ARANHA, M. L. de A; MARTINS, M. H. P. Filosofando: introdução à Filosofia. São Paulo: Moderna, 1986.

COTRIN, Gilberto. Fundamentos da Filosofia: ser, saber e fazer. São Paulo: Saraiva, 1999.

DREHER, Edmundo H. Saber pensar. São Paulo: Ed. Champagnat, 1992

LAW, Stephen. Guia Ilustrado Zahar: Filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

Recursos Complementares

“Como Sócrates é o fundador da ciência em geral, mediante a doutrina do conceito, assim é o fundador, em particular da ciência moral, mediante a doutrina de que eticidade significa racionalidade, ação racional. Virtude é inteligência, razão, ciência, não sentimento, rotina, costume, tradição, lei positiva, opinião comum. Tudo isto tem que ser criticado, superado, subindo até à razão, não descendo até à animalidade - como ensinavam os sofistas. É sabido que Sócrates levava a importância da razão para a ação moral até àquele intelectualismo que, identificando conhecimento e virtude - bem como ignorância e vício - tornava impossível o livre arbítrio.”  

Fonte:  MUNDO DOS FILÓSOFOS. Sócrates. Disponível em: http://www.mundodosfilosofos.com.br/socrates.htm acessado em 28/03/2010. 

Avaliação

A avaliação será realizada durante as aulas, através da participação dos estudantes, mediante suas produções, onde deverão expressar o seu entendimento sobre os seguintes critérios:

  1. Compreender o caráter histórico-social da moral e o caráter pessoal, se posicionando filosoficamente, com argumentos convincentes. ·        
  2. Estabelecer relações da moral com a ética, compreendendo os conceitos à luz da filosofia. Refletir, com base no texto "O novo manifesto", de Lima Barreto, do início do século XX,  sobre a realidade do mundo político de hoje
Opinião de quem acessou

Cinco estrelas 5 classificações

  • Cinco estrelas 5/5 - 100%
  • Quatro estrelas 0/5 - 0%
  • Três estrelas 0/5 - 0%
  • Duas estrelas 0/5 - 0%
  • Uma estrela 0/5 - 0%

Denuncie opiniões ou materiais indevidos!

Opiniões

  • Maria Jose, Padre , Goiás - disse:
    mariajfborges@hotmail.com

    29/09/2013

    Cinco estrelas

    O Plano apresentado, foi bastante sugestivo para o complemento de minha aula.


  • Gilmar Alves de Souza, Colégio Est. Dep. Manmoel da Costa Lima , Goiás - disse:
    gilmarsouza63@gmail.com

    26/11/2012

    Cinco estrelas

    Parabéns! excelente material


  • Erineia, Colégio Luiz Marques Pinto , Espírito Santo - disse:
    erineiavaladares@gmail.com

    25/10/2010

    Cinco estrelas

    Excelente! Pode-se sem dúvidas levantar questionamentos, interessantes e trazer a tona, discussões que podem dar resultados fantásticos!


  • luciane, escola , Paraná - disse:
    luciane-hass@bol.com.br

    15/09/2010

    Cinco estrelas

    excelente vai me axiliar no meu, projeto de intervenção pedagógica


  • Gelice Prado, ICE , Mato Grosso - disse:
    geliceice@yahoo.com.br

    26/05/2010

    Cinco estrelas

    Muitpo bom esse roteiro, com ele é possível levantar questionamentos importantes e necessários para a formação do jovem na contemporaneidade.


Sem classificação.
REPORTAR ERROS
Encontrou algum erro? Descreva-o aqui e contribua para que as informações do Portal estejam sempre corretas.
CONTATO
Deixe sua mensagem para o Portal. Dúvidas, críticas e sugestões são sempre bem-vindas.