Portal do Governo Brasileiro
Início do Conteúdo
VISUALIZAR AULA
 


Sobre o gênero discursivo - texto de iniciação científica

 

19/10/2010

Autor e Coautor(es)
Lazuita Goretti de Oliveira
imagem do usuário

UBERLANDIA - MG ESC DE EDUCACAO BASICA

Eliana Dias

Estrutura Curricular
Modalidade / Nível de Ensino Componente Curricular Tema
Educação de Jovens e Adultos - 2º ciclo Língua Portuguesa Linguagem escrita: leitura e produção de textos
Ensino Fundamental Final Língua Portuguesa Análise linguística: modos de organização dos discursos
Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula
  • identificar o texto de divulgação científica como um gênero;
  • interpretar e analisar um texto de divulgação científica, observando sua estrutura composicional;
  • analisar um texto de divulgação científica sobre um tema polêmico na atualidade.
Duração das atividades
04 aulas de 50 minutos cada
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno
  • Habilidades básicas de leitura;
  • Estrutura do texto dissertativo.
Estratégias e recursos da aula
  • utilização do laboratório de informática e sala de vídeo;
  • atividades realizadas em grupo ou duplas de alunos;
  • utilização de imagens, tirinhas, vídeos e artigos científicos veiculados na internet.

Aula 01 (50 minutos)

O professor deverá iniciar a aula, explicando aos alunos que o texto de divulgação científica – tema desta aula - é um gênero discursivo que transpõe um discurso específico de uma esfera do campo científico para a comunidade em geral, ou seja, é por meio do texto de divulgação científica que a sociedade entra em contato com as pesquisas que estão sendo realizadas, ou que estão em andamento, em linguagem acessível.  A popularização da ciência tem sido considerada também como um instrumento para tornar disponíveis conhecimentos e tecnologias que possam ajudar a melhorar a vida das pessoas e dar suporte a desenvolvimentos econômicos e sociais sustentáveis.

Atividade

I- Para apresentar a temática dos textos a serem analisados – obesidade - aos alunos, o professor deverá reproduzir para eles a cópia das tirinhas do Hagar, do Recruta Zero, do Garfield e da Turma da Mônica mostradas abaixo.

A.

Disponível em:

http://elcabron.sjdr.com.br/tag/tiras-hagar-the-horrible/

B.

 

Disponível em:

http://blogdoxandro.blogspot.com/2010/01/tiras-n767-recruta-zero-por-mart-e-greg.html 

C.

Disponível em

http://garotaveneno.wordpress.com/2009/01/page/2/ 

D.

Disponível em:

http://blogdoxandro.blogspot.com/2009_05_27_archive.htm

II - A seguir, o professor pedirá aos alunos que observem as tirinhas e respondam, oralmente, às questões propostas.

1. O que há de comum entre as tirinhas?

2. Observe a tirinha A –  Hagar. Por que o médico, Dr. Zook, receitou para ele: fazer exercícios físicos, parar de beber e fazer uma dieta rigorosa? 

3. Observe a tirinha B. Recruta Zero - personagem dos quadrinhos -  é implacavelmente perseguido  pelo “gorducho” Sargento Tainha, que não admite nenhuma insubordinação.

a. Como Zero provoca o Sargento?

b. Qual característica do sargento é ridicularizada por Zero?

4. Observe a tirinha C – Garfield.

a. A balança do Garfield pode ser considerada moderna?  Por quê?

b. Como você interpreta a mensagem da balança - “Minha Nossa Senhora” – para Garfield no último quadrinho?

5. Observe a tirinha D – Turma da Mônica.

a. Qual é a principal característica da Magali?

b.  Essa característica é evidenciada na tirinha? Justifique sua resposta.

6.  Você acha que a obesidade provoca problemas de saúde? Por quê?

7. Como a sociedade trata as pessoas obesas? Essas pessoas são vítimas de preconceito? Justifique sua resposta.

8. O que se deve fazer para controlar a obesidade?

Aula 02 (50 minutos)

Atividade

 O professor deverá reproduzir para os alunos a cópia do texto “A obesidade infantil aumenta os riscos de morte antes dos 55 anos”

A obesidade infantil aumenta os riscos de morte antes dos 55 anos

Disponível em:

http://www.saocaetanonatacao.com.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=126:obesidade-infantil&catid=42:nutricao&Itemid=80 

Segundo estudo publicado no New England Journal of Medicine, a obesidade infantil aumenta os riscos de morte antes dos 55 anos de idade. Acompanhando em longo prazo quase 5 mil crianças nascidas entre 1945 e 1984, os pesquisadores notaram que um quarto dos voluntários que apresentavam maior índice de massa corporal (IMC) tinham duas vezes maior taxa de morte por causas naturais antes dos 55 anos do que o grupo de menor IMC. Entre essas causas, os especialistas consideraram doenças cardiovasculares, doença hepática alcoólica, infecções, câncer, diabetes e overdose de drogas.

"O ponto principal é que a obesidade em crianças é um sério problema que precisa ser abordado seriamente", ressaltou o pesquisador William C. Knowler, do Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais. "O que este estudo particular mostra é que a obesidade causará o excesso de morte prematura", completou o especialista.

 Além da influência direta da obesidade infantil nos riscos de morte prematura, a pesquisa indicou que a intolerância à glicose - fator de risco para o diabetes - e a pressão alta na infância também cumprem um papel neste sentido. A taxa de morte foi 73% maior entre o grupo de maior intolerância à glicose e 1,5 vezes maior entre aqueles que apresentavam pressão alta.

Em nota para a imprensa, o pediatra Marc Jacobson, da Academia Americana de Pediatria, destaca que o novo estudo é oportuno e importante, visto que mais de um sexto das crianças americanas estão obesas. "Ele nos dá mais dados relevantes sobre os efeitos da obesidade adolescente em longo prazo". E, seguindo as diretrizes da Academia, o especialista recomenda a medida do índice de massa corporal em todas as crianças, e uma abordagem no estilo de vida daquelas que se apresentam obesas. Para a prevenção, segundo ele, os pais podem usar o chamado 5210 - cinco porções diárias de frutas e vegetais, duas horas ou menos de TV por dia, uma hora de exercícios e nenhuma ou pouquíssimas bebidas açucaradas.

Disponível em:

http://cliquesaude.com.br/obesidade-infantil-pode-dobrar-os-riscos-de-morte-antes-dos-55-anos-diz-estudo-3081.html II – Após a leitura do texto pelo professor, os alunos, em grupo de cinco pessoas, deverão responder as questões sobre o texto. 

1. O texto “A obesidade infantil aumenta os riscos de morte antes dos 55 anos” desenvolve um tema muito debatido nos dias atuais. Que  tema é esse?

2. Esse gênero textual recebe o nome de texto de divulgação científica. Assinale a opção  que melhor traduz a finalidade desse gênero discursivo.

(   ) Relatar experiências pessoais. (   ) Convencer o interlocutor do ponto de vista defendido pelo autor. (   ) Expor um conteúdo de natureza científica.

3. A estrutura de um texto de divulgação científica geralmente é a seguinte:

-  apresentação da ideia principal – geralmente um conceito ou um ponto de vista sobre um conceito;

- fundamentação da ideia principal por meio de evidências, isto é, exemplos, comparações, resultados objetivos de experiências, dados estatísticos, relações de causa e efeito, etc.;

No texto “A obesidade infantil aumenta os riscos de morte antes dos 55 anos”:

a. Qual é a ideia principal que o autor  desenvolve?

b. Por que, segundo o autor, a obesidade infantil provoca morte prematura?

4. Segundo o resultado da  pesquisa realizada, quais são as principais doenças associadas à obesidade?

5. Qual foi o percentual de crianças obesas, apontado pela pesquisa?  Esse resultado é preocupante? Justifique sua resposta.

6. O que  o  pediatra Marc Jacobson recomenda que se faça para  controlar a obesidade infantil?

7. É comum o texto de divulgação científica fazer uso de uma linguagem que inclui termos e conceitos científicos básicos.

a. Identifique no texto em estudo palavras ou expressões próprias da linguagem científica.

b. A que área científica pertencem esses termos?

8. Observe a linguagem do texto:

a. Que variedade linguística foi empregada?

b. Que tempo/modo verbal  predomina no texto?

c. A linguagem do texto analisado é pessoal ou impessoal? Por quê?

d. Considerando o assunto do texto, bem como o veículo de publicação, pode-se afirmar que esse nível de linguagem é adequado à situação? Justifique sua resposta.

9. Observe a conclusão do texto, no último parágrafo.

a. A conclusão apresentada é coerente com a ideia principal do texto?

10. Discuta com seus colegas e concluam: Quais são as principais características de um texto de divulgação científica?

Todas as respostas deverão ser socializadas para a turma. O professor deverá criar uma estratégia para correção, de modo que todos falem o que responderam. Ver sugestão abaixo na aula 3.

Aula 03 (50 minutos)

Atividade

Nessa aula, para corrigir as atividades, o professor deverá dividir as questões sobre o texto - A obesidade infantil aumenta os riscos de morte antes dos 55 anos -  entre os grupos, para que todos falem e participem ativamente da correção.

Aula 04 (50 minutos)

Atividade

I - O professor deverá levar os alunos ao laboratório de informática/sala de vídeo para assistirem ao vídeo:

a. Questão de peso, disponível em:

http://www.youtube.com/watch?v=_UbceTbvI2A 

b.Questão de peso (V) - Obesidade na infância

http://videolog.uol.com.br/video.php?id=244590 

c. Bom dia Minas - Rede Globo - Como evitar a obesidade infantil

http://www.youtube.com/watch?v=VjzAAveo9wQ&feature=related 

II -  Após a exibição dos vídeos, o professor deverá reproduzir para os alunos a cópia do artigo “Obesidade infantil e desnutrição OMS”.

Obesidade infantil e desnutrição OMS

http://endoped.com/2008/10/01/dia-11-de-outubro-dia-internacional-de-combate-a-obesidade/ 

Obesidade infantil contra a má-nutrição – Uma mancha nas medidas da OMS (Organização Mundial de Saúde) para a obesidade infantil.

Numa tentativa de dar acesso e assegurar a saúde infantil em todo o mundo, foi recomendada pela Organização Mundial de Saúde uma série de medidas-teste para monitorar o crescimento infantil, o desenvolvimento motor e o estado nutricional.

Espera-se que esta iniciativa da OMS possa capacitar os trabalhadores dos cuidados de saúde com as medidas apropriadas para igualizar os dois extremos dos cuidados de saúde infantis.

Por um lado, há uma necessidade desesperante de melhorar a saúde das crianças sub-nutridas dos países subdesenvolvidos ou em vias de desenvolvimento; nos países desenvolvidos, tal como os Estados-Unidos, a preocupação é com a sobrealimentação das crianças e dos níveis, a cada dia mais elevados, de obesidade infantil, que atingiu proporções alarmantes.

As novas orientações da OMS recomendam medidas de IMC (índice de massa corporal) para as crianças, desde o seu nascimento até a idade de 5 anos.

Este anúncio da OMS provocou diversos tipo de reacções dos médicos por esse mundo fora, que duvidam da utilidade clínica da medição do Índice de Massa Corporal (IMC).

O IMC baseia-se no cálculo do rácio peso-altura para verificar se um indivíduo é de peso baixo, se tem excesso de peso ou se é obeso. Foram também levantadas questões acerca da necessidade das crianças serem sujeitas à medição do Índice de Massa Corporal.

Enquanto o IMC fornece uma representação adequada da média de gordura corporal numa população específica, ignora factores como a perda muscular ou a massa muscular, que desempenham um papel crucial na determinação do peso dum indivíduo.

A medição IMC pode por isso ser contraproducente, afirma o Dr. David Heber do Center for Human Nutrition at the University of California.

De qualquer forma, a Dra. Wendy Miller, directora-clínica do Beaumont Weight Control Center, em Royal Oak, saudou as recomendações da OMS e mais ainda, crê que elas encorajam os pais a vigiar mais de perto a saúde dos seus filhos.

 As preocupações com o Índice de Massa Corporal podem predispor os pais a procurarem o conselho de um especialista pediatra para encontrar um plano de ação apropriado. O objetivo dos pais deverá ser providenciar uma nutrição adequada e promover hábitos de uma boa atividade física em vez de dietas, avisou a Dra. Wendy Miller.

Infelizmente a obesidade tornou-se um assunto de saúde pública em praticamente todos os países industrializados. Alarmantemente, um estudo conduzido pelos especialistas da Harvard School of Public Health (Escola de Saúde pública de Harvard) revelou que as taxas de obesidade nos Estados Unidos estão subavaliadas em cerca de 50%.

Como muito bem frisou o Dr. Mervin Deitel, ‘a forma mais comum de má nutrição no mundo ocidental é a obesidade’, as crianças obesas estão a tornar-se uma visão vulgar mas não uma visão que se deseje!

A um nível global, estima-se que haja cerca de 2,6 milhões de mortes prematuras anualmente, devido à obesidade. Nada, nem sequer os reportes de estudos científicos que afirmam que as crianças obesas são mais propensas a ser alvo de chacota pelos seus companheiros ou que a obesidade aumenta o risco de se desenvolver diabetes em idades precoces parecem evitar que estas crianças se entreguem a dietas gordas e bebidas carregadas de açúcar, os dois maiores contribuintes para a obesidade infantil.

Um novo estudo, feito entre os adolescentes na Austrália, demonstrou que aqueles que bebiam uma lata de uma bebida leve por dia acrescentavam 6,4 kg ao seu peso corporal actual. Baixos níveis de atividade física, a paixão e dependência pela televisão e pelos vídeos jogos é outra das razões para a obesidade infantil. Houve uma mudança drástica nos hábitos familiares, que conduziu a horários de refeição irregulares e a uma tendência para a ‘comida de plástico‘ ou para a chamada ‘comida de conveniência’.

As empresas de alimentação e de bebidas estão a retirar o máximo proveito da presente situação. A maior parte das Companhias mundiais de topo na alimentação e na bebida, como a Mars, Nestlé, Cadbury Schweppes Plc., Coca Cola, Unilever, McDonalds, Burger King, Pizza Hut e KFC permanecem convenientemente passivas acerca da crise de obesidade.

Apesar dos objetivos definidos pela Organização Mundial de Saúde para uma eficaz prevenção da obesidade, diabetes e doenças cardíacas, não houve uma alteração significativa nos níveis de gordura, sal e açúcar das comidas comercializadas por estes gigantes da alimentação.

A McDonalds, que havia prometido aos seus clientes que iria reduzir os níveis de gordura nos seus produtos, anunciou recentemente um novo Big Mac em tamanho gigante (40% maior do que o normal), comprometendo assim a sua promessa de refeições saudáveis e tamanhos esbeltos no seu menu.

Talvez os seus meios de publicidade se tenham concentrado mais em retirar proveitos econômicos do que em promover a boa saúde. Tomando em consideração as preocupações de vários médicos, dietistas, nutricionistas e outros profissionais de saúde, talvez seja chegado o momento de os media projetarem a realidade, provando também que a má publicidade é uma das formas de estas companhias evitarem olhar com seriedade pela saúde dos seus consumidores.

Educar as crianças acerca das nefastas consequências da obesidade e encorajá-las e serem bem aprumadas e felizes é a única medida prática para reverter a obesidade infantil. Debates e argumentos por um lado, nesta conjuntura, tornam bastante claro que se não forem instituídas mudanças radicais para alterar a tendência atual, brevemente iremos assistir a uma situação em que as gerações futuras terão uma menor esperança de vida, quando comparada com as gerações anteriores.

Disponível em:

http://www.obesidadeinfantil.org/artigos-obesidade-infantil/desnutricao-oms-organizacao-mundial-saude.php

II - Os alunos, em grupo, deverão fazer a leitura do texto; discutir  sobre a temática abordada – obesidade – associando-a ao conteúdo do vídeo e do texto  “ A obesidade infantil aumenta os riscos de morte antes dos 55 anos”.

1. Após a discussão,  os alunos farão um painel – um tópico para cada grupo - atendendo  a  orientação apresentada abaixo.

a. Fatores que podem desencadear a obesidade infantil.

b. Doenças associadas à obesidade.

c. Recomendações no combate à obesidade infantil.

Observação: Os painéis serão expostos no mural da sala de aula ou em corredores da escola.

Recursos Complementares

Para propiciar uma discussão sobre o preconceito em relação às pessoas obesas,  o professor  poderá exibir para os alunos o seguinte vídeo:

Questão de Peso (VI) - Obesidade na Adolescência

Disponível em:

http://videolog.uol.com.br/video.php?id=244619 

  

Avaliação

O alunos serão avaliados, em grupo, por meio da atividade de interpretação do texto "A obesidade infantil aumenta os riscos de morte antes dos 55 anos" e da confecção de painéis sobre o mesmo tema.

Opinião de quem acessou

Cinco estrelas 3 classificações

  • Cinco estrelas 3/3 - 100%
  • Quatro estrelas 0/3 - 0%
  • Três estrelas 0/3 - 0%
  • Duas estrelas 0/3 - 0%
  • Uma estrela 0/3 - 0%

Denuncie opiniões ou materiais indevidos!

Opiniões

  • Ligiane Bonacin, Escola nova geração , Paraná - disse:
    profligi@hotmail.com

    31/03/2012

    Cinco estrelas

    Muito bom!!


  • claudilene silvestre, Escola Estadual Sofia Feijó Sampaio , Pernambuco - disse:
    claudilenesilvstre@gmail.com

    04/05/2011

    Cinco estrelas

    Achei sua aula super interessante,e apesar de minha escola no momento não possuir os recursos necessários para executá-la totalmente,aproveitarei tudo o .que for possível


  • Ana Júlia Back, Personal trainer, aulas personalizadas. , Santa Catarina - disse:
    corpoemente.26@hotmail.com

    26/10/2010

    Cinco estrelas

    parabéns pela aula precisamos acabar com o sedentarismo. eu sou personal trainer e adorei esta mátéria


Sem classificação.
REPORTAR ERROS
Encontrou algum erro? Descreva-o aqui e contribua para que as informações do Portal estejam sempre corretas.
CONTATO
Deixe sua mensagem para o Portal. Dúvidas, críticas e sugestões são sempre bem-vindas.