Portal do Governo Brasileiro
Início do Conteúdo
VISUALIZAR AULA
 


Conhecendo nosso Sistema Nervoso

 

11/01/2011

Autor e Coautor(es)
MARIA ANTONIETA GONZAGA SILVA
imagem do usuário

BELO HORIZONTE - MG ESCOLA DE EDUCACAO BASICA E PROFISSIONAL DA UFMG - CENTRO PEDAGOGICO

Lízia Maria Porto Ramos; Marina Silva Rocha; Priscila Barbosa Peixoto.

Estrutura Curricular
Modalidade / Nível de Ensino Componente Curricular Tema
Ensino Fundamental Inicial Artes Arte Visual: Produção do aluno em arte visual
Ensino Fundamental Inicial Língua Portuguesa Língua escrita: prática de leitura
Ensino Fundamental Inicial Ciências Naturais Ser humano e saúde
Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula

§  Reconhecer células importantes do sistema nervoso.

§  Explicar as principais funções do sistema nervoso.

§  Diferenciar Sistema Nervoso Central de Sistema Nervoso Periférico.

§  Explicar o funcionamento básico do sistema nervoso.

§  Desenvolver a leitura de textos científicos relacionados com o assunto e sua interpretação.

Duração das atividades
3 horas/aula
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno

Os alunos deverão ser capazes de compreender o conceito de célula, bem como de sistema e de órgão.

Estratégias e recursos da aula

Introdução: uma abordagem para o professor

Função do Sistema Nervoso

O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do próprio corpo e elaborar respostas que adaptem a essas condições.

A unidade básica do sistema nervoso é a célula nervosa, denominada neurônio, que é uma célula extremamente estimulável; é capaz de perceber as mínimas variações que ocorrem em torno de si, reagindo com uma alteração elétrica que percorre sua membrana. Essa alteração elétrica é o impulso nervoso.

As células nervosas estabelecem conexões entre si de tal maneira que um neurônio pode transmitir a outros os estímulos recebidos do ambiente, gerando uma reação em cadeia.

Neurônios: células nervosas

Um neurônio típico apresenta três partes distintas: corpo celular, dentritos e axônio.

No corpo celular, parte mais volumosa da célula nervosa, se localiza o núcleo e a maioria das estruturas citoplasmáticas.

Os dentritos (do grego dendron, árvore) são prolongamentos finos e geralmente ramificados que conduzem os estímulos captados do ambiente ou de outras células em direção ao corpo celular.

O axônio é um prolongamento fino, geralmente mais longo que os dentritos, cuja função é transmitir para outras células os impulsos nervosos provenientes do corpo celular.

Os corpos celulares dos neurônios estão concentrados no sistema nervoso central e também em pequenas estruturas globosas espalhadas pelo corpo, os gânglios nervosos. Os dentritos e o axônio, genericamente chamados fibras nervosas, estendem-se por todo o corpo, conectando os corpos celulares dos neurônios entre si às células sensoriais, musculares e glandulares.

Células Glia

Além dos neurônios, o sistema nervoso apresenta-se constituído pelas células glia, ou células gliais, cuja função é dar sustentação aos neurônios e auxiliar o seu funcionamento. As células da glia constituem cerca de metade do volume do nosso encéfalo. Há diversos tipos de células gliais. Os astrócitos, por exemplo, dispõem-se ao longo dos capilares sanguíneos do encéfalo, controlando a passagem de substâncias do sangue para as células do sistema nervoso. Os oligodendrócitos e as células de Schwann enrolam-se sobre os axônios de certos neurônios, formando envoltórios isolantes.

Impulso Nervoso

A despolarização e a repolarização de um neurônio ocorrem devido às modificações na permeabilidade da membrana plasmática. Em um primeiro instante, abrem-se "portas de passagem" de Na+, permitindo a entrada de grande quantidade desses íons na célula. Com isso, aumenta a quantidade relativa de carga positiva na região interna da membrana, provocando sua despolarização. Em seguida abrem-se as "portas de passagem" de K+, permitindo a saída de grande quantidade desses íons. Com isso, o interior da membrana volta a ficar com excesso de cargas negativas (repolarização). A despolarização em uma região da membrana dura apenas cerca de 1,5 milésimo de segundo (ms).

O estímulo provoca, assim, uma onda de despolarizações e repolarizações que se propaga ao longo da membrana plasmática do neurônio. Essa onda de propagação é o impulso nervoso, que se propaga em um único sentido na fibra nervosa. Dentritos sempre conduzem o impulso em direção ao corpo celular, por isso diz-se que o impulso nervoso no dentrito é celulípeto. O axônio por sua vez, conduz o impulso em direção às suas extremidades, isto é, para longe do corpo celular; por isso diz-se que o impulso nervoso no axônio é celulífugo.

Sinapses: transmissão do impulso nervoso entre células

Um impulso é transmitido de uma célula a outra através das sinapses (do grego synapsis, ação de juntar). A sinapse é uma região de contato muito próximo entre a extremidade do axônio de um neurônio e a superfície de outras células. Estas células podem ser tanto outros neurônios como células sensoriais, musculares ou glandulares. As terminações de um axônio podem estabelecer muitas sinapses simultâneas.

Na maioria das sinapses nervosas, as membranas das células que fazem sinapses estão muito próximas, mas não se tocam. Há um pequeno espaço entre as membranas celulares (o espaço sináptico ou fenda sináptica).

Quando os impulsos nervosos atingem as extremidades do axônio da célula pré-sináptica, ocorre liberação, nos espaços sinápticos, de substâncias químicas denominadas neurotransmissores ou mediadores químicos, que tem a capacidade de se combinar com receptores presentes na membrana das célula pós-sináptica, desencadeando o impulso nervoso. Esse tipo de sinapse, por envolver a participação de mediadores químicos, é chamado sinapse química.

Os cientistas já identificaram mais de dez substâncias que atuam como neurotransmissores, como a acetilcolina, a adrenalina (ou epinefrina), a noradrenalina (ou norepinefrina), a dopamina e a serotonina.

Adaptado de: http://www.webciencia.com/11_29nervoso.htm (consultado em 11/12/10, às 15h43min).    

Estratégia

Como os alunos poderão atingir os objetivos propostos:

Os alunos poderão atingir os objetivos propostos através de discussões entre eles, realização de atividades práticas de montagem de modelos de sistema nervoso, além de leitura de textos e vídeos sobre o assunto trabalhado.   

Como o professor irá ativar esse processo:

O professor ativará este processo por meio do incentivo às discussões entre os alunos, realização de atividades práticas de montagem de modelos, além de leitura e interpretação de textos e vídeos.   

Atividade inicial: Passando a informação             

Professor, num primeiro momento da aula, sonde os conhecimentos prévios dos alunos sobre o Sistema Nervoso. Pergunte quem já ouviu falar sobre este sistema, quais órgãos eles acham que fazem parte deste sistema, quais as funções desempenhadas pelo sistema nervoso. Deixe os alunos se manifestarem, dando suas opiniões e registrando suas experiências. É possível que os alunos associem o sistema nervoso ao cérebro por ser este um órgão muito divulgado.             

Depois deste momento de sondagem, coloque a turma em círculo e peça que todos os alunos se dêem as mãos. Peça que um aluno inicie um movimento com uma das mãos, e que este deverá ser reproduzido, passado para a frente pelo colega subseqüente, e assim por diante, até o retorno ao primeiro. Este movimento poderá ser um aperto de mão, um sinal, ou até mesmo um pequeno objeto.             

Pergunte para a turma qual a importância da transmissão da informação nesta brincadeira. Explique que a informação foi passada de um para o outro através das pontas dos dedos, e isso seria semelhante a sinapses, que ocorrem no sistema nervoso. O braço seria o axônio do neurônio, a mão do colega o corpo celular e os dedos o dendrito dessa célula. O neurônio é a principal célula do sistema nervoso.   

Atividade prática: montando um Neurônio             

Professor, após a atividade inicial, proponha para a turma a realização de uma atividade prática, em que eles deverão montar um modelo de neurônio. Para tanto, providencie os seguintes materiais:

Materiais necessários:

- Massa de modelar

- 10 cm Fio elétrico

Retirado de: http://www.solostocks.com.br/img/cabo-eletrico-flexivel-pp-450750v--condumax-128108z0.jpg (consultado em 11/12/10, às 15h57min).  

Modo de preparar:

Monte com a turma um modelo de neurônio, célula nervosa. Com a massa de modelar faça um corpo da célula e os dendritos, e com os fios os axônios. Abra o fio na região terminal para demonstrar a porção terminal do axônio. Para que os alunos saibam como fazer esta montagem, entregue para eles uma figura de neurônio, na qual eles poderão se basear.

Retirado de: http://2.bp.blogspot.com/_AuZReXaF3c8/S-yM9mWJ6YI/AAAAAAAAABw/ar-YcIYD0yQ/s1600/esquemaNeuronio.gif (consultado em 11/12/10, às 15h58min).    

Explique para os alunos que o sistema nervoso tem bilhões de células nervosas, os neurônios. Cada um deles tem um corpo (parte principal), dendritos e um axônio longo, que se combinam de diversas formas. As pontas dos dendritos quase tocam outros dendritos em junções chamadas sinapses. Os dendritos captam sinais nervosos e os enviam pelo axônio para a próxima célula nervosa. As informações são transmitidas de um neurônio para outro e podem ser mais lentas ou mais rápidas: isso vai depender do tipo de neurônio. Se o axônio foi liso, ou seja, não tiver nódulos, a informação é passada de forma mais lenta, pois o caminho a ser percorrido pela informação é maior. Mas se o axônio tiver obstáculos ou nódulos, a informação é passada mais rápida, isso por que é como se ela estivesse saltando de um ponto para o outro, reduzindo o caminho a ser percorrido.

Retirado de: http://www.sobiologia.com.br/figuras/Fisiologiaanimal/nervoso14.jpg (consultado em 11/12/10, às 15h59min).    

A informação é passada de um neurônio para o outro através das sinapses, que enviam sinais químicos para o outro neurônio, assim os dendritos não estão ligados fisicamente, mas estão muito próximos um do outro.  O sentido de propagação da informação é: Dendrito – corpo celular – axônio – dendrito. E esse sentido não muda, assim temos neurônios que enviam a informação ao órgão e neurônios que trazem a informação para o cérebro.   

Sinapse

Retirado de: http://neurociencia-educacao.pbworks.com/f/sinapse.jpg (consultado em 11/12/10, às 16h). 

Retirado de: http://www.sobiologia.com.br/figuras/Corpo/neuronio.jpg (consultado em 11/12/10, às 16h01min).    

Quando um neurônio termina em um músculo, por exemplo, seus dendritos ficam próximos a ele e o impulso é passado diretamente para o músculo, gerando a informação enviada, que pode ser levantar um braço ou perna, por exemplo.    

Retirado de: http://www.vestibularseriado.com.br/imagens/ufs/2006/1/Bio-6.jpg (consultado em 11/12/10, às 16h02min). 

Retirado de: http://3.bp.blogspot.com/__DJq7FU25y8/SwP7caIUgeI/AAAAAAAAARI/1XDXUiNK-8I/s1600/arco+reflexo.JPG (consultado em 11/12/10, às 16h03min).    

Atividade prática 2: Sistema nervoso central e periférico             

Professor, após as discussões sobre as células nervosas e os impulsos nervosos, proponha agora a realização de mais um modelo, desta vez para diferenciar o sistema nervoso central e periférico. Providencie os seguintes materiais:

Materiais necessários:

- Bola de isopor média

- 20 cm cano de PVC fino

- Barbante ou lã   

Modo de preparar:

O cano de PVC representará a medula espinal, enquanto a bola de isopor representará o encéfalo (cérebro, cerebelo, ponte e bulbo). Encaixe o cano na bola de isopor. Amarre o barbante ao longo do cano como uma ramificação, representando o sistema nervoso periférico (nervos), que conecta o sistema nervoso central ao restante do corpo.

Retirado de: http://2.bp.blogspot.com/_7igPY7HmXto/TO5eDhlHC7I/AAAAAAAAARI/fE8hQWhB4tU/s1600/sist_nervoso_central.jpg (consultado em 11/12/10, às 16h26min).    

Sistema nervoso Central

Retirado de: http://2.bp.blogspot.com/_AIZ8PU1JExI/RkyvOV0SMdI/AAAAAAAAABk/swWeXT3769o/s320/encefalo.jpg (consultado em 11/12/10, às 16h27min).    

Sistema nervoso central e periférico

Retirado de: http://2.bp.blogspot.com/_cqXKLcarREg/SicjbD5owkI/AAAAAAAAAB8/0y2pN95nJfs/s320/sem+t%C3%ADtulo.bmp (consultado em 11/12/10, às 16h28min).    

Explique para os alunos que assim como o sistema circulatório, o sistema nervoso tem ramificações em todo o corpo. Seus nervos dividem-se várias vezes. Os mais grossos parecem-se com pedaços de corda e os finos são mais delgados que um fio de cabelo. Os nervos compõem-se de feixes de células nervosas. Estas cumprem a tarefa específica de transportar minúsculas mensagens elétricas. Algumas células nervosas são chamadas de sensoriais – elas levam sinais dos órgãos dos sentidos, como os olhos e os ouvidos, até o cérebro. Numa outra categoria estão as células motoras, que transmitem sinais do cérebro e da medula espinal para os músculos, instruindo-os para se contraírem ou relaxarem. Muitos nervos contêm tanto células sensoriais como células motoras.   

Texto para os alunos:             

Professor, após a realização das atividades práticas, entregue para os alunos um texto informativo sobre a memória e sua relação com o sistema nervoso. Peça que façam uma leitura atenciosa, destacando as partes mais importantes. Depois faça com eles outra leitura, interpretando o texto e pedindo que eles digam o que mais os chamou a atenção.   

Por que lembramos e esquecemos?

A resposta está no cérebro: entenda como ele se encarrega de selecionar as lembranças!

Alguns fatos não saem de nossa cabeça. Uma festa de aniversário, um dia de férias, uma bronca, um almoço na casa da vovó, uma briga com um amigo... Mas por que algumas situações ficam guardadas em nossa mente e outras parecem desaparecer de nossa memória? A resposta está no cérebro, ou melhor, no que há dentro dele.

A explicação pode começar pelos neurônios, as células do sistema nervoso que são responsáveis por algumas de nossas funções – ver, falar, ouvir, entre outras. Ligados uns aos outros, os neurônios se comunicam e se encarregam de selecionar nossas lembranças. Assim, existe uma parte do cérebro – o córtex pré-frontal – que armazena o que temos de lembrar por alguns segundos, como o número do telefone de seu colega, que você precisa anotar na agenda; outra parte – o lobo temporal – que guarda a informação por algumas horas, como um recado que a professora mandou para sua mãe e você não pode esquecer até chegar em casa; e outra – que reúne várias regiões do cérebro incluindo o córtex temporal e outras – capaz de memorizar fatos por anos, como aquele dia em que você foi campeão de caratê e que, talvez, nunca mais se esqueça. Todas essas áreas são estimuladas por nossas reações emocionais, ou seja, por nossos sentimentos diante de certos fatos, que ativam a comunicação entre os neurônios.

Nós nos lembramos mais de fatos emocionantes e importantes para a nossa vida. Isso porque, quando algo especial acontece, nosso corpo produz algumas substâncias que estimulam o cérebro e os neurônios responsáveis pela memória. Esses fatos podem causar grandes emoções, mas que nem sempre são boas lembranças. Neste caso, elas são conservadas em nosso cérebro para nossa defesa, esquecidas por algum tempo e lembradas somente em momentos especiais.

Por exemplo, se ao atravessarmos a rua um carro quase nos atropelar, dificilmente vamos nos esquecer completamente deste fato. Assim, você se lembrará, de vez em quando, do ocorrido para se preservar e prestar mais atenção em seus atos. Isso porque fica difícil viver em paz lembrando a todo instante de momentos ruins, que nos deixem triste, com medo ou que causem muito sofrimento.

Boas e más lembranças são o resultado do bom funcionamento do cérebro e importantes para construir aquilo que somos ou o que seremos, para nosso amadurecimento e para evitar situações de apuros. Assim, quanto mais fatos importantes guardarmos na memória, melhor será nosso desempenho na vida.

Para ajudar o cérebro nesse trabalho, que tal exercitar suas lembranças? Ler é a melhor atividade para a memória, por acionar várias funções do cérebro, como a visão e a percepção. Então, se você leu este texto até aqui, parabéns! Já começou a trabalhar sua memória direitinho!   

Disponível em: http://chc.cienciahoje.uol.com.br/revista/revista-chc-2005/160/por-que-lembramos-e-esquecemos (consultado em 11/12/10, às 16h37min).              

Ferramentas tecnológicas – Atividades Visuais:             

Professor, depois das discussões em torno do texto, apresente para a turma alguns vídeos sobre o assunto da aula, pedindo que assistam com atenção e destaquem as partes que mais interessarem. Depois de assistirem, peça que cada um diga o que entendeu dos vídeos e conte para os colegas o que mais achou interessante.   

Origem e propagação de um impulso nervoso - iPED - http://www.youtube.com/watch?v=-vFQr8i3s0s&feature=related (consultado em 11/12/10, às 16h38min).    

Conheça mais sobre o cérebro humano - iPED - http://www.youtube.com/watch?v=cJOvVXNdCQE&feature=related (consultado em 11/12/10, às 16h39min).    

O corpo humano - 09 - Sistema nervoso - Parte 1 - http://www.youtube.com/watch?v=0OpLBFiThu4&feature=related (consultado em 11/12/10, às 16h40min).    

O corpo humano - 09 - Sistema nervoso - Parte 2- http://www.youtube.com/watch?v=abmTg0sePio&feature=related (consultado em 11/12/10, às 16h41min).    

O corpo humano - 09 - Sistema nervoso - Parte 3- http://www.youtube.com/watch?v=i9Bn3JLvA8c&feature=related (consultado em 11/12/10, às 16h342in).    

Corpo Humano - 19 O Cérebro (1 de 3) - http://www.youtube.com/watch?v=_b_ftnJIy4Q&feature=BF&list=PLC96F62D045DA7054&index=55 (consultado em 11/12/10, às 16h43min).    

Corpo Humano - 19 O Cérebro (2 de 3) - http://www.youtube.com/watch?v=HsPz3zNKTW4&feature=related (consultado em 11/12/10, às 16h44min).    

Corpo Humano - 19 O Cérebro (3 de 3) - http://www.youtube.com/watch?v=jAX3tXW4AZc&feature=related (consultado em 11/12/10, às 16h45min).   

Corpo Humano - 22 Os Neurónios (1 de 3) - http://www.youtube.com/watch?v=EYcv6h1pZEY&feature=related (consultado em 11/12/10, às 16h46min).    

Corpo Humano - 22 Os Neurónios (2 de 3)- http://www.youtube.com/watch?v=ztWln4zPrfs&feature=related (consultado em 11/12/10, às 16h47min).    

Corpo Humano - 22 Os Neurónios (3 de 3)- http://www.youtube.com/watch?v=aWFPQCcyzsc&feature=related (consultado em 11/12/10, às 16h48min).    

Impulso Nervoso / Sinapse - http://www.youtube.com/watch?v=KdFSdOrBRiM (consultado em 11/12/10, às 16h49min).    

Impulso Nervoso - http://www.youtube.com/watch?v=hz0XQqT-GEc&feature=related  (consultado em 11/12/10, às 16h50min). 

Recursos Complementares

                        Professor, abaixo seguem alguns recursos complementares para serem usados na aula caso seja necessário:  

http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso1.asp (consultado em 11/12/10, às 16h51min).    

http://www.icb.ufmg.br/mor/anatoenf/sistema_nervoso.htm (consultado em 11/12/10, às 16h52min).    

http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/2010/05/ajuda-para-interpretar-o-coracao (consultado em 11/12/10, às 16h53min).    

http://chc.cienciahoje.uol.com.br/revista/revista-chc-2004/149/reflexos-do-cerebro/?searchterm=reflexo (consultado em 11/12/10, às 16h54min). 

Avaliação

Avaliar numa perspectiva formativa implica estar atento à construção de conhecimentos conceituais, comportamentais e atitudinais de nossos alunos. Por isso é importante estar atento a todo o percurso do aluno enquanto aprende: suas ideias iniciais, aquelas apresentadas durante a investigação, à maneira que relaciona com os colegas, sua atitude investigativa e crítica, no decorrer da aula. Feitas estas considerações, propomos mais um momento para que os alunos sejam avaliados.

Sugira aos alunos uma pesquisa sobre os problemas e doenças que atingem o sistema nervoso. Depois de pesquisarem, peça que levem reportagens e ilustrações sobre o assunto, para que façam uma campanha na escola para conscientizar os colegas sobre a importância em se usar cinto de segurança e de ser um motorista responsável para evitar acidentes que comprometem o sistema nervoso. Além disso, peça que eles busquem sugestões de como melhorar a vida das pessoas que usam cadeiras de rodas. Desta forma, os alunos poderão divulgar os conhecimentos construídos e você poderá avaliar o processo de ensino-aprendizagem.

Opinião de quem acessou

Cinco estrelas 2 classificações

  • Cinco estrelas 2/2 - 100%
  • Quatro estrelas 0/2 - 0%
  • Três estrelas 0/2 - 0%
  • Duas estrelas 0/2 - 0%
  • Uma estrela 0/2 - 0%

Denuncie opiniões ou materiais indevidos!

Opiniões

  • NEUZA PEREIRA DE ALMEIDA, PITÁGORAS , Bahia - disse:
    neuzaylla@hotmail.com

    21/09/2013

    Cinco estrelas

    Parabéns,esta página é uma riqueza para nós estudantes....!!


  • Cleide Apoloni Ferreira, trabalho no Colégio Estadual de Quarto Centenário , Paraná - disse:
    cleideferreqc@hotmail.com

    30/08/2012

    Cinco estrelas

    Parabéns, aula é diversificada, não é cansativa, e atinge quem é sinestesico, auditivo, visual. Todos os alunos terão a oportunidade de apredenrtem. Nota 100!


Sem classificação.
REPORTAR ERROS
Encontrou algum erro? Descreva-o aqui e contribua para que as informações do Portal estejam sempre corretas.
CONTATO
Deixe sua mensagem para o Portal. Dúvidas, críticas e sugestões são sempre bem-vindas.