Portal do Governo Brasileiro
Início do Conteúdo
VISUALIZAR AULA
 


O tráfico de escravos africanos sob o olhar do poeta Castro Alves

 

07/10/2009

Autor e Coautor(es)
LEIDE DIVINA ALVARENGA TURINI
imagem do usuário

UBERLANDIA - MG Universidade Federal de Uberlândia

Aléxia Pádua Franco

Estrutura Curricular
Modalidade / Nível de Ensino Componente Curricular Tema
Ensino Fundamental Final História Nações, povos, lutas, guerras e revoluções
Ensino Médio História Processo histórico: nações e nacionalidades
Educação de Jovens e Adultos - 2º ciclo História Trabalho e relações sociais
Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula

Compreender aspectos do tráfico de escravos africanos para o continente americano, ocorrido entre os séculos XVI e XIX, a partir do poema “Navio Negreiro” de Antônio de Castro Alves.
Analisar a relação existente entre texto e contexto histórico.

Duração das atividades
04 aulas de 50 minutos
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno

Fundamentos da colonização portuguesa no Brasil.

Estratégias e recursos da aula

Aula 1

I - Introdução ao tema

1- Iniciar a aula mostrando aos alunos a litografia de J. M. Rugendas, mas sem adiantar a eles o título da obra:

Johann Moritz Rugendas e L. Deroi, “Negros no Porão”. Fonte: http://www.scielo.br/img/revistas/ea/v16n46/46a15f1.jpg. Acesso em 17/08/09.

A - Os alunos devem observar bem cada detalhe da litografia e levantar hipóteses sobre a situação que ela representa, sem a interferência do professor, que anotará as respostas no quadro.
B - Após o levantamento de hipóteses pelos alunos, o professor poderá, então, revelar o título-tema da obra e comentar a respeito da situação representada, verificando os conhecimentos prévios que os alunos possuem sobre o assunto.
C - No desenvolvimento das aulas posteriores, a partir dos recursos utilizados, as hipóteses e observações dos alunos devem ser retomadas.

Aula 2

II – Castro Alves, o poeta dos escravos

Antônio Frederico de Castro Alves (1847-1871) é considerado o poeta dos escravos, pois viveu no Brasil durante a vigência do sistema escravista e denunciou, através da sua obra, como no poema em foco nesta aula, os horrores do tráfico de escravos e da escravidão.

Para sensibilizar os alunos em relação ao trabalho com o poema Navio Negreiro, propor inicialmente a projeção do vídeo “Castro Alves”, disponível no portal: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnica.html?id=11793

Castro Alves

O vídeo apresenta dados da vida e obra de Castro Alves, fazendo referência ao poema Navio Negreiro. A partir dele, o professor poderá orientar os alunos a procurarem outras fontes que permitam um contato maior com a obra do poeta e com o Romantismo, estilo literário ao qual a sua obra está vinculada.

Atenção, professor! Sugerimos que as atividades relativas à vida e obra de Castro Alves e ao Romantismo sejam desenvolvidas conjuntamente com o professor de Língua Portuguesa e Literatura.

Aula 3 e 4

III- Dinâmicas de leitura, audição e interpretação do poema "Navio Negreiro"

O trabalho com o poema Navio Negreiro traz possibilidades significativas para uma reflexão sobre o tráfico de escravos africanos ocorrido entre os séculos XVI e XIX. Para tanto, o professor poderá propor aos alunos as seguintes atividades:

1- Leitura silenciosa.
Entregar uma cópia do poema aos alunos, na versão musicalizada por Caetano Veloso, e solicitar que façam uma leitura silenciosa. Disponível em: http://www.letras.com.br/caetano-veloso/o-navio-negreiro. Acesso em 17/09/09.

2- Audição do poema.
Caetano Veloso apresentou uma versão musicalizada do poema Navio Negreiro no CD Livro, com a participação de Maria Bethânia e Carlinhos Brown. (CD. Caetano Veloso. Livro, O Navio Negreiro. Excerto do Poema de Antônio de Castro Alves. Polygram, 1997).
Chamar a atenção dos alunos para o arranjo da música, atentando para sons e ritmos, além da letra. É interessante observar, por exemplo, a modificação no arranjo em  partes distintas do poema: quan do o poeta fala sobre o horror vivido pelos africanos no interior dos navios negreiros e quando, por exemplo, fala sobre as origens e culturas de homens e mulheres escravizados na África.

3- Projeção de vídeo
A projeção de um vídeo com a versão musicalizada do poema e com cenas do filme Amistad (1997), relativas ao tráfico de escravos africanos, é uma alternativa interessante para o trabalho de interpretação do poema de Castro Alves.

Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=fwRu0MOxfRw&feature=related. Acesso em 17/09/09

4- Leitura dramatizada do poema.

A leitura dramatizada alia texto escrito e linguagem oral possibilitando um maior envolvimento do aluno com o texto, ao qual ele empresta a sua interpretação, a sua expressividade.

5- Interpretação e debate das idéias centrais do poema “Navio Negreiro”.

Responder, por escrito, as seguintes questões de interpretação do poema:

A- Faça o vocabulário das palavras desconhecidas.

B- Castro Alves inicia uma das estrofes do seu poema dizendo “Stamos em pleno mar, era um sonho dantesco...”. Explique o significado da expressão “sonho dantesco” utilizada pelo autor, relacionando-a à idéia central do poema.

C- Faça uma síntese das idéias centrais do poema, as quais permitem entender a visão que o poeta Castro Alves tinha a respeito do tráfico de escravos e da escravidão.

D- Antônio de Castro Alves viveu em um contexto no qual a escravidão era ainda um dos pilares da sociedade brasileira. Você diria que o autor expõe, através do poema, o que pensava a respeito da escravização de negros africanos no Brasil da sua época? Justifique sua resposta com argumentação clara e consistente.

6 - Análise da relação entre texto e contexto histórico.

O professor poderá conversar com os alunos a respeito do contexto histórico do Brasil na época em que Castro Alves escreveu o poema Navio Negreiro. O tráfico de escravos já havia sido legalmente abolido em 1850, por meio da lei Eusébio de Queirós, estimulando o tráfico interno entre as províncias brasileiras. Os alunos, com a orientação do professor, poderão selecionar fontes de pesquisa que lhes permitam situar o autor na sociedade brasileira da segunda metade do século XIX e no movimento abolicionista em fase de intensificação no período. Para começar, consulte:http://www.klickeducacao.com.br/2006/materia/21/display/0,5912,POR-21-104-2341-5260,00.html

Após o desenvolvimento das atividades propostas, promova um debate na sala para que os alunos possam socializar as suas conclusões com os colegas e para que façam observações e complementações a partir do diálogo estabelecido. Importante retomar aqui as reflexões realizadas na aula introdutória.

Recursos Educacionais
Nome Tipo
Castro Alves Vídeo
Recursos Complementares

Professor, enriqueça a sua aula introdutória orientando os alunos a reunirem dados biográficos do artista alemão Johann Moritz Rugendas (1802-1858), e a procurarem informações sobre a técnica da litografia, utilizada pelo autor na obra analisada. Consulte: http://www.usp.br/revistausp/30/04-diener.pdf

Avaliação

Tendo como princípio que a ação avaliativa deve permear toda a prática pedagógica do professor dando-lhe constantemente elementos que lhe possibilitem auxiliar o estudante no seu desenvolvimento, o professor poderá avaliar os alunos a cada etapa do trabalho por meio das atividades orais como levantamento de hipóteses, interpretação e debate, e também a partir das atividades escritas, como o registro dos conhecimentos prévios dos alunos sobre o trafico de escravos e questões relativas ao poema “Navio Negreiro”.
Na conclusão das atividades da aula, o professor poderá solicitar aos alunos que elaborem um texto no qual sistematizem as suas conclusões sobre a relação entre o poema e o contexto histórico do poeta, bem como a respeito dos aspectos do tráfico de escravos africanos focalizados na obra.

Opinião de quem acessou

Quatro estrelas 12 classificações

  • Cinco estrelas 5/12 - 41.67%
  • Quatro estrelas 5/12 - 41.67%
  • Três estrelas 1/12 - 8.33%
  • Duas estrelas 1/12 - 8.33%
  • Uma estrela 0/12 - 0%

Denuncie opiniões ou materiais indevidos!

Opiniões

Sem classificação.
REPORTAR ERROS
Encontrou algum erro? Descreva-o aqui e contribua para que as informações do Portal estejam sempre corretas.
CONTATO
Deixe sua mensagem para o Portal. Dúvidas, críticas e sugestões são sempre bem-vindas.