Portal do Governo Brasileiro
Início do Conteúdo
VISUALIZAR AULA
 


Brincando e jogando

 

23/11/2009

Autor e Coautor(es)
RICARDO LUCAS DA ROCHA
imagem do usuário

JUIZ DE FORA - MG Universidade Federal de Juiz de Fora

Jose Luiz Lacerda

Estrutura Curricular
Modalidade / Nível de Ensino Componente Curricular Tema
Ensino Fundamental Final Educação Física Atitudes, conceitos e procedimentos: esportes, jogos, lutas e ginásticas
Ensino Fundamental Inicial Educação Física Esportes, jogos, lutas e ginásticas
Ensino Médio Educação Física Esporte: Valores culturais
Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula

O aluno vivenciará situações do movimento de rebater, arremessar, lançar e passar por meio dos jogos e brincadeiras;

Reconhecerá a necessidade de adaptação das regras para uma boa dinâmica dos jogos e participação coletiva.

Duração das atividades
3 aulas de 50 min. /total: 150 min.
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno

Não é necessário nenhum conhecimento prévio.

Estratégias e recursos da aula

Jogos e Brincadeiras

undefined

Brincadeira é alguma forma de divertimento típico da infância, isto é, uma atividade natural da criança, que não implica em compromisso, planejamento ou seriedade e que envolve comportamentos espontâneos e geradores de prazer.

A brincadeira é transmitida à criança através de seus próprios familiares, de forma expressiva, de uma geração à outra, ou pode ser aprendida pela criança de forma espontânea.

Nos dias atuais, com as moradias cada vez mais apertadas e os adultos envolvidos em seus afazeres, as crianças de classe média não têm um lugar para brincar e não devem atrapalhar o andamento do lar com seus brinquedos.

Não dá para isolar o comportamento lúdico da criança. Ela brinca quando é para brincar e quando os adultos entendem que ela não deveria brincar.

A ludicidade está sendo estudada como um processo de suma importância no desenvolvimento humano.

Os jogos tradicionais são aqueles que por suas características de fácil assimilação, desenvolvimento de forma prazerosa, aspectos lúdicos e função em seu contexto, foram aceitos coletivamente e preservados através dos tempos, transmitidos oralmente de uma geração a outra. Pois foi vendo, ouvindo e participando que crianças de várias gerações aprenderam e ensinaram, usufruíram e nos legaram estas atividades que nós, educadores chamamos de jogos tradicionais.

Os jogos tradicionais geralmente são criados pela criança e para a criança que no mundo lúdico encontrará equilíbrio entre o real e o imaginário, alimenta sua vida interior, descobre o mundo, torna-se operativa, pois quando brinca, a criança está tomando certa distância da vida cotidiana, e entrando no mundo do imaginário.

As brincadeiras de faz de conta, os jogos de construção e aqueles que possuem regras, jogos tradicionais, didáticos e corporais proporcionam a ampliação dos conhecimentos infantis por meio da atividade lúdica, por meio de jogos e brincadeiras os professores podem observar e constituir uma visão dos processos de desenvolvimento das crianças em conjunto e de cada uma em particular, registrando suas capacidades de uso das linguagens assim como de suas capacidades sociais e dos recursos afetivos e emocionais que as crianças dispõem, pois brincar leva a criança a tornar-se mais flexível e buscar alternativas de ação.

"O jogo é para a criança um fim em si mesmo ele deve ser para nós um meio de educar".

Aula 1

Reunir a turma e conversar sobre o que caracteriza um jogo e o que caracteriza o esporte.

Mostrar que o esporte surge de alguns jogos. Porém, nos jogos as regras são flexíveis e adaptáveis para que possa ampliar a participação de todos.

Propor a turma a realização de três diferentes jogos e que serão apresentadas algumas regras iniciais e durante os jogos estas regras poderão ser modificadas para um melhor desenvolvimento das aulas.

undefined

Atividade 1

Espaço: uma quadra ou pátio da escola.

Material: uma bola.

Cabeçobol

undefined

Os alunos serão divididos pelo professor em duas equipes A e B. Cada uma ocupando uma metade da quadra até iniciar o jogo e o objetivo do jogo é marcar gols. O jogo inicia na linha central da quadra e com uma bola. Ao apito do profe ssor os alunos vão passa ndo a bola uns para os outros em direção ao gol adversário.

Somente é permitido o passe, assim, o jogador que estiver com a bola na mão não poderá andar com a bola. O gol somente será válido qu ando for jogado com a cabeça e com a ajuda de um colega do mesmo grupo que lançará a bola para o colega que irá cabeceá-la. Quem marcar o gol troca de grupo e de posição com o goleiro.

Variação:

Mudando o nome do jogo e a forma de fazer gol. No Tapabol é necessário fazer gol com um tapa na bola. Utilizar uma bola de um material bem leve (plástico) e bem grande.

Caso alguns alunos monopolizem a posse de bola o professor poderá propor que todos deverão tocar na bola para que se possa marcar o gol ou somente valerá gol de quem ainda não marcou antes.

Atividade 2

Queimada da Abelha Rainha

undefined

Espaço: uma quadra, pátio da escola ou qualquer espaço que permita o desenvolvimento da aula.

Material: uma bola.

Este é um jogo de queimada normal e com apenas uma variação. Cada equipe deverá escolher entre as pessoas do grupo quem será a Abelha Rainha.

Por sua vez, quem for escolhido não poderá deixar ser queimado e as pessoas do seu grupo também terão a função de protegê-lo. O mais importante é que nenhum dos dois grupos poderá saber quem foi o escolhido e somente o professor saberá. No decorrer do jogo e quando a Abelha Rainha for queimada pelo grupo A, todas as pessoas que estariam no morto voltariam para o vivo novamente e haveria uma troca da Abelha Rainha por parte do outro grupo e inicia-se o jogo novamente.

Poderá ser estabelecido que a Abelha Rainha não possa ser quem já foi escolhido anteriormente.

Atividade 3

Voleibol com bola gigante

undefined

Espaço: uma quadra, pátio da escola ou qualquer espaço que permita o desenvolvimento da aula.

Material: rede de vôlei ou uma corda, uma bola leve e bem grande.

Joga-se numa quadra de voleibol e o número de participantes é ilimitado.

É necessário ter uma bola leve e bem grande. Este tipo de bola é mais leve, maior e mais lenta que uma bola de vôlei possibilitando uma grande participação dos alunos e motivação durante o jogo.  

O jogo começa com o professor lançando a bola para um determinado lado. É preciso que os alunos não deixem a bola cair no chão e cada equi pe poderá tocar na bola mais de três vezes.

Variação:

O aluno que der o último toque na bola e a mesma passar para o outro lado da rede, deverá passar para o outro time depois que a bola cair.

Conforme as dificuldades encontradas no jogo poderá ser sugerido algumas alterações nas regras do jogo pelo profesor:

- cada aluno pode dar mais de um toque;

- a bola pode tocar o chão da quadra mais de uma vez;

- o saque poderá ser executado de um ponto dentro da quadra e mais práximo a rede;

- ajudar no saque dando mais um toque caso este não ultrapassar a rede.

Recursos Complementares
Avaliação

Verificar junto aos alunos se eles identificam os movimentos utilizados durante o jogo e sua função para realização do mesmo.

Apontar a importância de transformar as regras e aceitar as mudanças para que os alunos participem dos jogo.

Os alunos superaram as suas dificuldades frente a situação do jogar?

Opinião de quem acessou

Sem estrelas 0 classificações

  • Cinco estrelas 0/0 - 0%
  • Quatro estrelas 0/0 - 0%
  • Três estrelas 0/0 - 0%
  • Duas estrelas 0/0 - 0%
  • Uma estrela 0/0 - 0%

Denuncie opiniões ou materiais indevidos!

Sem classificação.
REPORTAR ERROS
Encontrou algum erro? Descreva-o aqui e contribua para que as informações do Portal estejam sempre corretas.
CONTATO
Deixe sua mensagem para o Portal. Dúvidas, críticas e sugestões são sempre bem-vindas.