Portal do Governo Brasileiro
Início do Conteúdo
VISUALIZAR AULA
 


Contos

 

10/01/2011

Autor e Coautor(es)
Maria Carolina da Silva
imagem do usuário

BELO HORIZONTE - MG ESCOLA DE EDUCACAO BASICA E PROFISSIONAL DA UFMG - CENTRO PEDAGOGICO

Luiz Prazeres

Estrutura Curricular
Modalidade / Nível de Ensino Componente Curricular Tema
Educação Infantil Linguagem oral e escrita Práticas de escrita
Ensino Fundamental Inicial Língua Portuguesa Língua escrita: gêneros discursivos
Ensino Fundamental Inicial Língua Portuguesa Língua escrita: prática de leitura
Educação Infantil Linguagem oral e escrita Práticas de leitura
Ensino Fundamental Inicial Língua Portuguesa Língua escrita: prática de produção de textos
Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula
  • Identificar os elementos organizacionais e estruturais dos contos
  •  Identificar a finalidade desse gênero textual.
  • Conhecer as práticas sociais de produção e circulação dos contos.
  • Conhecer diferentes tipos de contos
Duração das atividades
4 aulas de 50 minutos
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno

Os alunos precisam conhecer alguns elementos que compõem uma narrativa.

Estratégias e recursos da aula

Uma breve definição dos contos e seus diferentes tipos:

 

Os contos, assim como as lendas, os mitos e as fábulas são tipos de narrativas originárias desde as mais antigas civilizações. Esses povos, através das histórias que contavam, passavam ensinamentos e preservavam sua cultura. Graças à tradição oral e, mais tarde, ao texto impresso, a arte de contar histórias foi passada de geração a geração, constituindo, até os dias de hoje, importantes fontes de informações para entendermos a história das civilizações. Dentro deste contexto é importante perceber o trabalho dos compiladores desse gênero literário que, até então, se mantinha no ideário popular, como: Homero com sua Odisséia (poeta grego – séc. VIII a.C.; Charles Perrault (França – séc. XVIII); os irmãos Grimm (Jacob e Wilhelm – Alemanha - séc. XVIII) e tantos outros, pois, esses escritos, além de preservar a memória histórica de um povo, emocionam, por lidar com o imaginário, divertem, criam suspense, mostram verdades e revelam sentimentos e valores de uma época.

 

Em cada país, surgiram novas modalidades de contos, regidos de acordo com a época e os movimentos artísticos que este momento histórico-cultural provocou e adquiriram forma literária e estética. Assim, leem-se hoje, contos de amor, de humor, contos fantásticos, de mistério e terror, contos realistas, psicológicos, sombrios, todos com estilos próprios daqueles que os escreveram.

 

Fonte: http://www.smec.salvador.ba.gov.br/site/documentos/espaco-virtual/espaco-cenap/publicacoes/caderno%20de%20Apoio%20a%20pratica%20pedagogica%20contos%20classicos%20mitologicos%20e%20modernos.pdf

 

ATIVIDADE 1

 

Divida a turma em quatro grupos. Para cada grupo, entregue um dos textos a seguir:

 

Texto 1

 

A Bela Adormecida

Charles Perrault

 

 

Na festa do batismo da tão desejada princesa, foram convidadas 12 fadas e como madrinhas desta ofereceram-lhe como presentes a beleza, o talento musical, a inteligência, entre outros valores apreciados.

 

No entanto, uma velha fada que foi negligeciada, porque o rei apenas tinha doze pratos de ouro, interrompeu o evento e lançou-lhe como vingança um feitiço cujo resultado seria, ao picar o dedo num fuso, a morte quando a princesa atingisse a idade adulta. Porém restava o presente da 12ª fada. Assim sendo, esta suavizou a morte, transformando o maldição da princesa para cem anos de sono profundo, até que seja despertada pelo primeiro beijo oriundo de um amor verdadeiro.

 

O rei proibiu imediatamente qualquer tipo de fiação em todo o reino, mas em vão. Quando a princesa contava 15 anos, descobriu uma sala escondida num torreão do castelo onde encontrou uma velha a fiar. Curiosa com o fuso pediu-lhe para a deixar fiar, picando-se nesse mesmo instante. Sentiu então o grande sono que lhe foi destinado e, ao adormecer, todas as criaturas presentes no castelo adormeceram juntamente, sob o novo feitiço da 12ª fada que tinha voltado entretanto. Com o tempo, cresceu uma floresta de urzes em torno do castelo adormecido, isolando-o do mundo exterior e dando uma morte fatal e dolorosa nos espinhos a quem tentasse entrar. Assim muitos príncipes morreram em busca da tal Bela Adormecida cuja beleza era tão falada.

 

Após cem anos decorridos, um príncipe corajoso enfrentou a floresta de espinhos, mesmo sabendo da morte de outros tantos, e consegiu entrar no castelo. Quando encontrou o quarto onde a princesa dormia, estremeceu de tal maneira ao ver a sua beleza, que caiu de joelhos diante o seu leito. Ele beijou-a e ela acordou finalmente. Então todos no castelo acordaram e continuaram onde haviam parado à cem anos atrás. O conto termina aqui, na boda do príncipe, com a famosa frase e viveram felizes até ao fim dos seus dias.

 

Texto 2

 

A roupa nova do imperador

Hans Christian Andersen

 

Um alfaiate pobre, de terras distantes, diz a um determinado rei que poderia fazer uma roupa muito bonita e cara, mas que apenas as pessoas mais inteligentes e astutas poderiam vê-la. O rei, muito vaidoso, gostou da proposta e pediu ao alfaiate que fizesse uma roupa dessas para ele.

 

 

O alfaiate recebeu vários baús cheios de riquezas, rolos de linha de ouro, seda e outros materiais raros e exóticos, exigidos por ele para a confecção das roupas. Ele guardou todos os tesouros e ficou em seu tear, fingindo tecer fios invisíveis, que todas as pessoas alegavam ver, para não parecerem estúpidas.

 

 

Até que um dia, o rei se cansou de esperar, e ele e seus ministros quiseram ver o progresso do alfaiate. Quando o falso tecelão mostrou a mesa de trabalho vazia, o rei exclamou: "Que lindas vestes! Você fez um trabalho magnífico!", embora não visse nada além de uma simples mesa, pois dizer que nada via seria admitir na frente de seus súditos que não tinha a capacidade necessária para ser rei. Os nobres ao redor soltaram falsos suspiros de admiração pelo trabalho, nenhum deles querendo que achassem que era incompetente ou incapaz. O alfaiate garantiu que as roupas logo estariam completas, e o rei resolveu marcar uma grande parada na cidade para que ele exibisse as vestes especiais. A única pessoa a desmascarar a farsa foi uma criança, que gritou:

-O rei está nu!

O grito é absorvido por todos. O Imperador se encolhe, suspeitando a afirmação é verdadeira, mas se mantém-se orgulhosamente e continua a procissão.

 

 

Texto 3

 

O menino e o padre

 

Conto regional do Nordeste (autor desconhecido)

 

Um padre andava pelo sertão, e como estava com muita sede, aproximou-se duma cabana e chamou por alguém de dentro. Veio então lhe atender um menino muito mirrado.

 

- Bom dia meu filho, você não tem por aí uma aguinha aqui pro padre?

 

- Água tem não senhor, aqui só tem um pote cheio de garapa de açúcar! Se o senhor quiser... - disse o menino.

 

- Serve, vá buscar. - pediu-lhe o padre.

 

E o menino trouxe a garapa dentro de uma cabaça. O padre bebeu bastante e o menino ofereceu mais. Meio desconfiado, mas como estava com muita sede o padre aceitou. Depois de beber, o padre curioso perguntou ao menino:

 

- Me diga uma coisa, sua mãe não vai brigar com você por causa dessa garapa?

 

- Briga não senhor. Ela não quer mais essa garapa, porque tinha uma barata morta dentro do pote.

 

Surpreso e revoltado, o padre atira a cabaça no chão e esta se quebra em mil pedaços. E furioso ele exclama:

 

-Moleque danado, por que não me avisou antes?

 

O menino olhou desesperado para o padre, e então disse em tom de lamento:

 

- Agora sim eu vou levar uma surra das grandes; o senhor acaba de quebrar a cabacinha de vovó fazer xixi dentro!

 

Texto 4

 

O Assalto

Carlos Drumond de Andrade

 

A casa luxuosa no Leblon é guardada por um molosso de feia catadura, que dorme de olhos abertos, ou talvez nem durma, de tão vigilante. Por isso, a família vive tranqüila, e nunca se teve notícia de assalto a residência tão protegida.

 

Até a semana passada. Na noite de quinta-feira, um homem conseguiu abrir o pesado portão de ferro e penetrar no jardim. Ia fazer o mesmo com a porta da casa, quando o cachorro, que muito de astúcia o deixara chegar até lá, para acender-lhe o clarão de esperança e depois arrancar-lhe toda ilusão, avançou contra ele, abocanhando-lhe a perna esquerda. O ladrão quis sacar do revólver, mas não teve tempo para isto. Caindo ao chão, sob as patas do inimigo, suplicou-lhe com os olhos que o deixasse viver, e com a boca prometeu que nunca mais tentaria assaltar aquela casa. Falou em voz baixa, para não despertar os moradores, temendo que se agravasse a situação. O animal pareceu compreender a súplica do ladrão, e deixou-o sair em estado deplorável.

 

No jardim ficou um pedaço da calça. No dia seguinte, a empregada não entendeu bem por que uma voz. Pelo telefone, disse que era da Saúde Pública e indagou se o cão era vacinado. Nesse momento o cão estava junto da doméstica, e abanou o rabo, afirmativamente.

 

Peça que os alunos leiam o texto silenciosamente e que depois o discutam com os colegas do grupo. Certifique-se de que os alunos compreenderam a história. Podem ser feitas perguntas factuais para ver se o texto foi entendido. Em seguida, peça que os cada grupo conte a história que leram para o restante da sala. Eles não deverão ler, mas relatar a narrativa para a turma.

 

Após terem relatado a história para os colegas, pergunte se eles percebem semelhanças entre os textos. Leve os alunos a perceberem algumas características comuns, como por exemplo: todos os textos estão contando uma história; têm personagens e narrador; espaço e tempo; estão organizados em parágrafos; são relativamente curtos; possuem início, meio e fim. Ajude-os também a perceber diferenças entre os textos: a temática não é igual, alguns usam de recursos mágicos (texto 1), outros têm uma história engraçada (texto 3) ou uma história mais próxima do real (texto4).

 

Pergunte para os alunos se eles têm alguma idéia sobre qual é o nome de textos como o que eles acabaram de ler. Em função da experiência com alguns desses gêneros, os alunos poderão dizer que esses textos são contos. Com base nas diferenças e semelhanças percebidas pelos alunos, construam coletivamente uma definição de contos. Nessa definição, deixem claro que o conto é uma narrativa (conta uma história) com personagens diversos, de temática variada e que, em geral, é curta se comparada a outros textos narrativos (como romances e novelas).

 

 

ATIVIDADE 2

 

Apresente para os alunos as seguintes classificações de contos:

 

Contos de fadas: narrativa curta na qual o herói ou heroína tem de enfrentar grandes obstáculos antes de triunfar contra o mal. Caracteristicamente envolvem algum tipo de magia, metamorfose ou encantamento. (Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Contos_de_fadas)

 

Contos maravilhosos: lidam com uma temática social: o herói (ou anti-herói), que é uma pessoa de origem humilde ou que passa por grandes privações, triunfa ao conquistar riqueza e poder. (Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Contos_maravilhosos)

 

Contos populares: Fruto da oralidade e do espírito inventivo. Criado, narrado e ouvido pelo povo. Transmitido de gerações a gerações. É testemunha de usos, costumes, idéias, práticas, saberes, decisões e julgamentos. Têm por característica o humorismo e as situações imprevistas, morais e/ou materiais. (Fonte: http://www.jangadabrasil.com.br/revista/setembro82/apresentacao.asp)

 

Contos modernos: É um tipo de narrativa não muito longa (história curta de fatos fictícios) em que o narrador se detém num momento especial, ou seja, a ação se concentra em um único ponto de interesse um conflito maior vivido pelos personagens. Normalmente, contam histórias voltadas para o cotidiano (Fonte: http://www.smec.salvador.ba.gov.br/site/documentos/espaco-virtual/espaco-cenap/publicacoes/caderno%20de%20Apoio%20a%20pratica%20pedagogica%20contos%20classicos%20mitologicos%20e%20modernos.pdf)

 

A partir das definições acima, peça que os alunos classifiquem os textos lidos na aula anterior e que justifiquem suas respostas. Pergunte se eles conhecem outros contos que se encaixam nas classificações estabelecidas acima. Explique que há outros tipos de contos e outras classificações (contos etiológicos, contos africanos, contos de terror, contos de humor etc.).

 

ATIVIDADE 3

 

Peça que um aluno leia o primeiro parágrafo dos textos trabalhados. Pergunte para eles: do que trata o primeiro parágrafo de todos os quatro textos? Espera-se que os alunos percebam que no primeiro parágrafo, ocorre a apresentação dos personagens e do ambiente em que se dá a história. Peça que eles falem das características dos personagens e do espaço em que se passa a narrativa de cada um dos textos. Explique que, em geral, nos diferentes tipos de conto o primeiro parágrafo nos apresenta ao cenário e aos personagens.

 

Pergunte aos alunos: depois que os personagens são apresentados, o que acontece no conto? Os alunos devem ser levados a perceber que uma situação problemática é apresentada no texto. Essa situação será responsável pelo desenrolar da história. Peça que eles identifiquem qual o conflito que se estabelece no primeiro conto.

 

Após a apresentação do problema e o desenrolar da história, existe, em geral, um clímax, ou seja, o ponto máximo de tensão da história, quando o conflito chega a seu máximo. A partir desse clímax, a história caminha para o desfecho. Explore esses elementos nos diferentes textos, para que os alunos possam se familiarizar com a estrutura presente no conto (apresentação dos personagens, conflito, desenvolvimento da história, clímax e desfecho). Esses elementos serão importantes para a atividade de produção.

 

ATIVIDADE 4

Agora que os alunos já compreenderam a estrutura do conto, promova uma atividade de reescrita em sala de aula. A reescrita consiste em recontar por escrito uma história já conhecida, com suas palavras, enriquecendo-a ou suprimindo alguns detalhes, conforme o interesse e o objetivo dos autores. Essa atividade pode ser realizada coletivamente, em grupos menores ou individualmente. O professor pode propor a reescrita do texto “A Bela Adormecida” ou “A roupa nova do rei” que provavelmente são mais conhecidos pelos alunos. Explique que a reescrita não consiste em copiar o texto, mas em usar a mesma história, contando-a com suas palavras, acrescentando ou retirando elementos, colocando diálogos, descrevendo melhor os cenários, sem mudar a essência do que é narrado. Durante o processo de reescrita, o professor deve auxiliar os alunos a seguirem a seqüência estudada anteriormente. Estimule os alunos a revisarem os textos, verificando a coerência e a correção gramatical e ortográfica.

 

Após a produção, os alunos devem ler os seus contos em sala. Os colegas avaliam para ver se o conto seguiu a sequência previamente estabelecida.

 

Recursos Complementares
Avaliação

O professor pode avaliar a compreensão de textos por parte dos alunos com base no realizado na primeira atividade. Pode também avaliar a participação e o envolvimento dos estudantes em todos os momentos. A última atividade constitui-se em um momento interessante para avaliar se os alunos compreenderam a estrutura que compõem um conto.

Opinião de quem acessou

Quatro estrelas 8 classificações

  • Cinco estrelas 6/8 - 75%
  • Quatro estrelas 2/8 - 25%
  • Três estrelas 0/8 - 0%
  • Duas estrelas 0/8 - 0%
  • Uma estrela 0/8 - 0%

Denuncie opiniões ou materiais indevidos!

Opiniões

  • euler teodoro, izabela hendrix , Minas Gerais - disse:
    eullerjt@yahoo.com.br

    14/09/2014

    Cinco estrelas

    parabéns. estava procurando os usos de linguagens em um projeto de intervenção para o estágio educação infantil. izabela hendrix. e contemplei textos complexos para enriquecer o meu projeto.


  • TIAFANE, FRANCISCO FIRMINO DE ARAUJO , Ceará - disse:
    tifaneaguiar@yahoo.com.br

    06/02/2014

    Cinco estrelas

    Bom como eu sou uma aluna foi mais um aprendizado para mim, ainda bem que a história que eu mais gosto está aqui ''BELA ADORMECIDA"


  • Paulina pagotto da Silva, col. Palmital , Paraná - disse:
    paulinapagotto@hotmail.com

    11/09/2013

    Cinco estrelas

    Gostei muito. Estou fazendo um curso que finaliza com um projeto de intervenção em relação a maneira de se trabalhar a produção escrita com ênfase na revisão e reescrita de textos no gênero contos com alunos do 8 ano do ensino fundamental. Por isso peço aos organizadores deste site que me respondam por favor: 1) Posso fazer uso dos textos na íntegra em meu caderno? 2) Vocês pode enviar-me uma autorização para que eu use com tranquilidade?


  • rosilene, Emef Miguel Farah , São Paulo - disse:
    rosileneof@hotmail.com

    16/01/2013

    Cinco estrelas

    muito válida sua aula...


  • MARIA APARECIDA KERSTEN, Estadual , São Paulo - disse:
    maria.kersten@hotmail.com

    30/10/2012

    Cinco estrelas

    Gostei, muito pois dá um norte para o trabalho do professor.


  • maria da conceição neves soares, Universidade federal de rondonia , Rondônia - disse:
    manyneves2009@hotmail.com

    25/05/2012

    Quatro estrelas

    adorei esse modelo de aula!!!!!


  • kellynha, encino fundamental , São Paulo - disse:
    keth_gatinha@hotmail.com

    09/02/2012

    Cinco estrelas

    gostei mais poderian encinar mais e colocar mais contos grandes e com mais estruturas e opiniã.mas vcs estão de parabéns


  • Yndira, Diocesano , Pernambuco - disse:
    yndiralizziane@hotmail.com

    10/01/2011

    Quatro estrelas

    Atividade, bem elaborada visando aquisição de conhecimento sobre contos e a necessidade de mudar as "histórinhas de contos de fadas" e contos não é só isso!


Sem classificação.
REPORTAR ERROS
Encontrou algum erro? Descreva-o aqui e contribua para que as informações do Portal estejam sempre corretas.
CONTATO
Deixe sua mensagem para o Portal. Dúvidas, críticas e sugestões são sempre bem-vindas.