Portal do Governo Brasileiro
Início do Conteúdo
VISUALIZAR AULA
 


Fernando Collor e o Impeachment na Imprensa

 

28/03/2011

Autor e Coautor(es)

Lígia Beatriz de Paula Germano, Márcio dos Santos Rodrigues

Estrutura Curricular
Modalidade / Nível de Ensino Componente Curricular Tema
Educação de Jovens e Adultos - 2º ciclo História Cidadania e cultura contemporânea
Ensino Médio História Processo histórico: nações e nacionalidades
Ensino Médio História Cidadania: diferenças e desigualdades
Educação de Jovens e Adultos - 2º ciclo História Relações de poder e conflitos sociais
Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula

Nesta aula, o aluno terá a oportunidade de compreender aspectos relacionados aos dilemas e controvérsias políticas e sociais que se instauraram no país, em 1992, em virtude das denúncias de corrupção contra o então presidente da República Fernando Collor de Melo. O aluno poderá compreender a dimensão da campanha pró-Impeachment (“afastamento”) de Collor, que ganhou força através da imprensa em geral e das mais diversas manifestações da sociedade - como, por exemplo, o movimento dos “Caras-Pintadas” - exigindo uma postura política regularizada por premissas éticas e pelo respeito à Constituição promulgada em 1988. Por fim, o aluno poderá compreender a importância da discussão e da aplicação da ética na política.

Duração das atividades
4 aulas de 50 minutos
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno

É necessário que os alunos saibam, mesmo que minimamente, acerca do contexto da eleição presidencial de 1989; os alunos devem saber que como Collor foi eleito, depois de um período de quase 30 anos sem eleições diretas no país; devem ter conhecimento mínimo a respeito da noção de ética na política.

Estratégias e recursos da aula

INTRODUÇÃO:

 

Assunto pouco explorado na Pesquisa e no Ensino de História, talvez em virtude de sua proximidade temporal, o período Collor carece de maiores reflexões. Para tanto, o professor deve contextualizar a importância das eleições diretas para presidente após um longo período ditatorial seguido de um conturbado mandato presidencial civil. É importante que o professor enfatize o clima de esperança política depositada no primeiro presidente civil eleito no país. A seguir é importante contextualizar a crise política gerada pelas denúncias de corrupção que começaram a ser disseminadas pela imprensa contra o então presidente Fernando Collor de Melo, e agravada pela entrevista concedida por Pedro Collor (irmão do presidente) à revista Veja de 19 de maio de 1992. Deve refletir com os alunos sobre o papel da Imprensa na campanha pró-afastamento de Collor. Deve atentar para que as reivindicações de diferentes atores sociais, exigindo que aquele Brasil imaginado pela Constituição de 1988, em que cidadania e justiça social seriam premissas garantidas para todos, não caísse por terra.

Apesar do Impeachment e da articulação de setores da sociedade exigindo um comportamento ético dos governantes brasileiros, alguns dos problemas evidenciados naquele período ainda persistem no contexto atual apontando como exemplos (de 1992 até o presente tivemos vários escândalos políticos: o “Escândalo dos Precatórios”, “Escândalo dos Grampos Contra FHC e Aliadose, mais recentemente, o do “Mensalão” ou “Esquema de compra de votos de parlamentares” que balançou o governo Lula, por exemplo).

Deste modo, é importante discutir sobre anseio da sociedade civil brasileira por uma política calcada em princípios éticos, seja ele em qualquer período. Tal anseio se expressa na campanha movida contra o então presidente Fernando Collor, em virtude de seu envolvimento com o Esquema PC, e como pode-se ver ainda se faz presente.

Para ilustrar essa introdução o professor deve exibir as imagens abaixo durante sua breve introdução.

Imagem 1

Capa da Veja - Collor  

Capa da edição 1255 da revista Veja, de 30 de setembro de 1992

Imagem disponível em http://lh6.ggpht.com/_8ZrPV2Jt6fQ/SoHWuM0835I/AAAAAAAAEOQ/WSm81_B84q8/%5BUNSET%5D.jpg

 

Imagem 2

Collor - Fora Collor

Capa de “Fora Collor: Fenômeno em decomposição” - livro lançado pela Editora Globo e que compila caricaturas/charges de Chico Caruso

Imagem disponível em http://www.sebodomessias.com.br/loja/imagens/produtos/produtos/32613_535.jpg

Imagem 3

Veja - Collor

Capa da edição 1268 da revista Veja, de 30 de dezembro de 1992

Imagem disponível em http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx?edicao=1268&pg=0

 

Imagem 4

Charge Collor

 “O mandato presidencial de Collor (2), charge de Chico Caruso, de 1992. A caricatura aparece nas páginas finais de “Fora Collor: Fenômeno em decomposição”. Posta em sequência deliberada com outras caricaturas cria uma cena em que Collor faz do prédio do Congresso Nacional um vaso sanitário.

Imagem disponível em http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_IC/Enc_Obras/dsp_dados_obra.cfm?cd_obra=63417&st_nome=Caruso,%20Chico&cd_idioma=28555&cd_verbete=3587

 

 

DESENVOLVIMENTO:

 

1ª AULA

Atividade 1: Em um primeiro momento, todos os alunos, individualmente, irão se debruçar sobre a temática em geral. É importante que os alunos contextualizem o período, apreendendo-o de diferentes maneiras e considerando tanto discursos imagéticos - como, por exemplo, fotografias, caricaturas e charges do período - quanto textuais. Os alunos devem levantar imagens e textos sobre personagens como Fernando Collor de Mello, PC Farias, Pedro Collor e os “Caras-Pintadas” - sejam elas caricaturais ou não. Os alunos podem pesquisar, por exemplo, no acervo digital da Revista Veja (http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx?edicao=1268&pg=0). Nesse espaço virtual, estão digitalizadas na íntegra as edições que acompanham a crise política do Governo Collor (obrigatoriamente devem consultar a edição de Veja, publicada em 19 de maio de 1992, que apresenta a entrevista de Pedro Collor de Mello, irmão do então presidente. A entrevista de Pedro Collor é considerada responsável pelo agravamento da crise política do Governo Collor).

Sobre o "Esquema PC", podem consultar http://www.infoescola.com/historia-do-brasil/esquema-pc-farias/

Sobre os chamados “Caras-Pintadas” consultar http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u397259.shtml e http://www.pstu.org.br/partido_materia.asp?id=2028&ida=0.

Os alunos não devem se limitar a consulta exclusiva dos sites elencados. Os mesmos devem servir como ponto de partida para uma reflexão mais aprofundada em outros domínios virtuais.

Os alunos deverão registrar a pesquisa em um caderno que será utilizado em desdobramentos posteriores da temática da aula, bem como em posterior avaliação pelo professor.

 

2ª AULA

O professor deverá fazer uma breve introdução sobre a noção de ética na política. O professor deve perguntar à turma o que eles entendem por ética e anotar as impressões dos alunos no quadro.

 

Atividade 1: Contrapor as noções sobre ética na política discutidas em sala de aula com as imagens e reportagens levantadas sobre o Governo Collor. O objetivo é fazer com que os alunos problematizem a maneira como a imprensa e movimentos como os dos “Caras-Pintadas” se apegam ao discurso da ética na política para promover a campanha pró-Impeachment. Caracterizar o que aqueles atores sociais daquele contexto entendem por ética na política. Para tanto, torna-se necessário prestar atenção e registrar no caderno os discursos que esses atores sociais constroem a respeito da atuação de Collor na presidência.  Tais registros serão utilizados em atividade posterior dos alunos bem como serão objeto de avaliação pelo professor.

Atividade 2: Discutir se em nosso país assistimos ainda casos envolvendo falta de ética na política. Refletir se a mobilização contra a corrupção no período Collor fez com que a sociedade brasileira passasse a exigir mudanças na postura dos políticos. O professor pode mencionar a mobilização da sociedade em favor da aprovação da Lei Ficha Limpa - sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no dia 4 de junho de 2010. Para maiores informações sobre esse tema ver http://www.fichalimpa.org.br/ .

 

3ª AULA

O professor deve dividir a turma em 3 grupos. Cada aluno deve contribuir com impressões acerca do período, dos personagens e valores que circulavam naquele contexto histórico, visando à elaboração de um roteiro de uma peça de teatro. Para tanto devem ter registrado as discussões das aulas passadas no caderno.

As três peças, que podem ser humorísticas ou dramáticas, deverão ter aproximadamente 10 minutos, buscando visões diferentes do episódio histórico. O professor deve orientar os alunos nessa atividade. Caso algum ponto das discussões anteriores não esteja claro, o professor deve esclarecê-lo.

Se os alunos assim optarem, podem encenar as peças através de bonecos - desde que improvisem um palco, que pode ser feito de maneira simples, com panos e sarrafos. As peças deverão envolver todos os alunos, atores, cenografistas, responsáveis pelo áudio e montagem do cenário. Os alunos podem escolher também transpor para a linguagem teatral algumas cenas apresentadas através de charges. Caso não exista um espaço adequado para a encenação da peça teatral, utilizar a sala de aula. Se houver um local adequado para a encenação na escola, as peças deverão ser apresentadas para toda a escola.  É importante que as peças enfatizem noções de democracia, cidadania, participação política da sociedade, justiça e corrupção debatidas nas aulas anteriores.

 

 

4ª AULA

Atividade 1: Encenação da peça (cada peça deve ter aproximadamente 10 minutos de duração)

Atividade 2: Logo após a encenação/dramatização, os alunos deverão ser capazes de comparar as diferentes visões e interpretações sobre as mobilizações contra o Governo Collor, expressas em cada uma das peças. Devem ainda ser capazes de pensar e debater os desdobramentos das movimentações políticas contra Collor na sociedade brasileira.

 

 

CONCLUSÃO:

Ao final das quatro aulas e das atividades propostas neste período, os alunos serão capazes de desenvolver uma postura crítica em relação ao Período Collor, bem como a respeito da atuação/mobilização política da imprensa e de diferentes atores sociais naquele contexto. Deverão ser capazes ainda de estabelecer paralelos com as exigências expressas tanto naquele contexto e quanto no atual por uma postura mais ética na vida pública com base nas noções de democracia, cidadania, justiça etc.

Recursos Complementares

 

Ver a dissertação “A crise do Governo Collor e a tática do PT”:  http://cutter.unicamp.br/document/?code=vtls000349775

Apesar de vincular a crise do Governo Collor à atuação do Partido dos Trabalhadores há informações históricas de base contextual relevantes para o desenvolvimento da proposta.

Para uma discussão sobre ética e política ver http://www.espacoacademico.com.br/043/43pra.htm e http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-64451992000100006&script=sci_arttext (este último é texto assinado por Noberto Bobbio, intitulado “Ética e política”)

Avaliação

 

A avaliação terá como base a participação dos alunos nas atividades de pesquisa e discussão em sala de aula. Serão também objeto de avaliação os registros das pesquisas e discussões desenvolvidas em sala de aula. Além da dramatização, será avaliada a participação dos alunos nas discussões e na elaboração do roteiro e na montagem das peças de teatro. Através do roteiro e dos debates em sala de aula e dos registros construídos pelos alunos nas atividades desenvolvidas nesse tema, será também analisada a capacidade dos alunos de mobilizar representações em torno do tema escolhido e conceitos discutidos como cidadania, democracia e justiça, bem como a competência para a construção de interpretações históricas. 

Opinião de quem acessou

Sem estrelas 0 classificações

  • Cinco estrelas 0/0 - 0%
  • Quatro estrelas 0/0 - 0%
  • Três estrelas 0/0 - 0%
  • Duas estrelas 0/0 - 0%
  • Uma estrela 0/0 - 0%

Denuncie opiniões ou materiais indevidos!

Sem classificação.
REPORTAR ERROS
Encontrou algum erro? Descreva-o aqui e contribua para que as informações do Portal estejam sempre corretas.
CONTATO
Deixe sua mensagem para o Portal. Dúvidas, críticas e sugestões são sempre bem-vindas.