Portal do Governo Brasileiro
Início do Conteúdo
VISUALIZAR AULA
 


Figuras de linguagem em foco

 

06/12/2009

Autor e Coautor(es)
Priscila Brasil Gonçalves Lacerda
imagem do usuário

BELO HORIZONTE - MG ESCOLA DE EDUCACAO BASICA E PROFISSIONAL DA UFMG - CENTRO PEDAGOGICO

Professor Luiz Prazeres

Estrutura Curricular
Modalidade / Nível de Ensino Componente Curricular Tema
Ensino Fundamental Final Língua Portuguesa Análise linguística: léxico e redes semânticas
Educação de Jovens e Adultos - 2º ciclo Língua Estrangeira Compreensão escrita
Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula

O objetivo desta aula é fazer com que os alunos compreendam a configuração de sentido de certas figuras de linguagem e mostrá-los que as figuras de linguagem não são um privilégio dos textos poéticos, pois estão presentes em textos pertencentes a diversos gêneros, como os informativos e os publicitários, o que nos mostra, portanto, que as figuras de linguagem são um recurso corriqueiro no uso da língua.

Duração das atividades
aproximadamente 3 aulas de 50 minutos.
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno

Os alunos devem ter conhecimento acerca do propósito comunicativo de alguns gêneros textuais, mobilizados nesta aula, como o poema, o anúncio publicitário e a reportagem.

Estratégias e recursos da aula
  • No primeiro momento da aula, serão abordadas estas figuras de linguagem: paradoxo, metáfora, metonímia e comparação.
  • Inicialmente, o professor deve apresentar aos alunos o poema “Amor é fogo que arde sem se ver”, de Luis de Camões, a seguir. (Recomenda-se que o professor utilize material impresso ou projeção, com auxílio de retroprojetor ou aparelho de datashow.)


Amor é fogo que arde sem se ver

Luis Vaz de Camões (1524 – 1580)

Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.
É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.
É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.
Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Disponível em: http://www.laurapoesias.com/poesias3/amor_e_fogo_que_arde.htm, acessado em 11 set. 2009.

  • A fim de fazer com que os alunos reflitam sobre a construção de sentidos paradoxais no poema e a definição metafórica do “amor”, devem ser feitas as demandas a seguir:

a) Procure no dicionário qual é o sentido do termo ‘amor’. (Se preferir, o professor pode apresentar de antemão a definição para os alunos.)

Definição
a.mor (ô) sm. 1. Sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem. 2. Sentimento de dedicação absoluta de um ser a outro, ou a uma coisa. 3. Inclinação ditada por laços de família. 4. Inclinação sexual forte por outra pessoa. 5. Afeição, amizade, simpatia. 6. O objeto do amor (1 a 6)

In: FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio Século XXI Escolar: O minidicionário da língua portuguesa. 4 ed. revista e ampliada. . Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

b) Nas três primeiras estrofes do poema, o eu lírico procura também definir o amor. As definições apresentadas no poema podem ser associadas a que acepções encontradas no dicionário?

c) No que diz respeito à linguagem utilizada, em que diferem as definições encontradas no dicionário e as encontradas no poema?

d) A partir do poema, a que conclusão podemos chegar a respeito da natureza do sentimento que se procura definir?

e) Explique a diferença semântica construída pela seguinte modificação feita na primeira estrofe do poema:
Amor é como fogo que arde sem se ver,
é tal qual ferida que dói, e não se sente;
é parecido com um contentamento descontente,
é como dor que desatina sem doer.

Chave de resposta:

b) Às acepções 1 e 2. Possivelmente à definição 3, pois se pode pensar no amor materno, por exemplo.

c) As definições encontradas no dicionário são mais objetivas, literais, enquanto as definições colocadas no poema são mais subjetivas, figuradas, por isso, demonstrativas de um ponto de vista.
d) Trata-se de um sentimento contraditório.
e) Nos versos modificados, foram estabelecidas comparações entre o amor e os elementos que o definiam nos versos originais.

  • Após discutir com os alunos as respostas das questões “b” a “e”, o professor deve apresentar-lhes os conceitos de paradoxo, metáfora e comparação, remetendo ao exercício feito anteriormente. (Caso tais definições não estejam presentes no livro didático utilizado pelo s alunos, recomenda-se que o professor as of ereça em material impr esso.)
  • Paradoxo ou oximoro =  É a a firm ação que subverte as idéias, apresentando fatos que matem relações incompatíveis entre si. Ex: Meu amor e meu ódio por você são iguais.
  • Comparação = Consiste em estabelecer uma equivalência explícita, por meio de um termo de comparação, que pode ser uma palavra ou locução (como, assim como, tal q ual). Ex: O calor de teu corpo é como (assi m como, tal qual) a brasa do lume.
  • Metáfora = A metáfor a é uma comparação implícita, ou seja, não possui o termo comparativo. Baseia-se numa associação de idéias subjetivas: uma palavra deixa o seu contexto normal para fazer parte de outro contexto. Ex: Teu corpo é a brasa do lume.

In: MAIA, João Domingues. Português: volume único: livro do professor. 2 ed. São Paulo: Ática, 2005. (Texto adaptado)
  • Para reiterar o mecanismo de construção de sentido por comparação e metáfora, além de introduzir a metonímia, o professor deve apresentar aos alunos a seguinte propaganda. (Recomenda-se que o professor utilize material impresso ou faça projeção com auxílio de aparelho de datashow.)

undefined

Transcrição do texto inferior:
Bohemia Oaken. A 1ª cerveja maturada com carvalho chegou. Atendendo a paladares sofisticados, a Bohemia produziu mais uma edição limitada de Oakencom sabor e aroma diferenciados de tudo que você já degustou.

Fonte: http://veja.abril.com.br/acervodigital/, acessado em 12 set. 2009. (Revista VEJA, Edição 2129, 9 de setembro de 2009)

  • Em seguida, os alunos devem responder as questões de “a” a “d”.

a) Qual é o objetivo desse texto?
b) A que fazem referência as frases “modelado em jacarandá” e “maturada com carvalho”? Explique a sua resposta.
c) Que relação a propaganda estabelece entre o violino e a cerveja? A que figura de linguagem essa relação remete?
d) O texto principal declara a excelência da madeira. No âmbito dessa propaganda, a que se deseja, de fato, atribuir o caráter de excelência? Ou seja, que elemento da propaganda a madeira pode representar? Justifique sua resposta.

Chave de resposta:
a) Em linhas gerais, promover a edição limitada da cerveja Bohemia Oaken.
b) Fazem referência ao violino e à cerveja, respectivamente. Essa relação é construída fazendo referência ao material que é utilizado na confecção tanto do instrumento como da bebida.
c) Ambos são feitos de madeira, por isso a propaganda estabelece um paralelo entre essas imagens. O que representaria, em termos de figura de linguagem, uma comparação.
d) À cerveja Bohemia Oaken, que foi maturada no carvalho, ou à Bohemia, que produziu mais uma vez uma cerveja maturada no carvalho. 

Observação: O professor deve conduzir os alunos de forma a levantarem as duas hipóteses de resposta em “d” e chamar a sua atenção para a diferença entre essas duas hipóteses, já que a primeira remete a um sentido metonímico – o continente pelo conteúdo –, enquanto a segunda (interpretação menos evidente) remete a um sentido metafórico.

  • Após ter realizado a correção desse exercício com os alunos, o professor deve apresentar aos alunos a definição de metonímia.
Metonínia = Consiste em substituir uma palavra por outra, ambas capazes de designar realidades ligadas por uma relação lógica:

- efeito pela causa = ex. Bebeu a morte por Bebeu cianureto.:
- continente pelo conteúdo = ex: A madeira foi sempre sinôni mo de excelência por A Bohemia Oaken sempre f oi sinônimo de excelência.
- lugar pelo produto = ex: O bronze soou, por O sino de bro nze soou.
- abstrato pelo concreto = Respeitar a velhice por Respeit ar os velhos.
- autor pela obra = ex: Escutar Marcelo D2 por Escutar as músicas de Marcelo D2.
- parte pelo todo: Quantas velas no mar! por Quantos navios no mar!

In: MAIA, João Domingues. Português: volume único: livro do professor. 2 ed. São Paulo: Ática, 2005. (Texto adaptado)
  • Em seguida, deve ser apresentada aos alunos uma receita culinária e um cartaz, seguidos de suas respectivas demandas.

Receita culinária: (Recomenda-se que o professor utilize material impresso ou faça projeção com auxílio de retroprojetor ou de ap arelho de datashow.)

BOLO DE CHOCOLATE

Cobertura
1 lata de Moça Fiesta Chocolate
1 pacote de Biscoito Passatempo ao Leite

Massa
meia xícara (chá) de manteiga
1 xícara e meia (chá) de açúcar
6 ovos
meia xícara (chá) de leite
1 xícara e meia (chá) de farinha de trigo
1 xícara (chá) de chocolate em pó
meia colher (sopa) de fermento em pó

manteiga, para untar

farinha de trigo, para polvilhar

Recheio
1 lata de Moça Fiesta Chocolate

Fonte: http://www.nestle.com.br/Cozinha/receitas/bolo_de_chocolate.aspx, acessado em 12 set. 2009.

a) Sublinhe as expressões no texto que se constroem por metonímia.
b) Transcreva a receita culinária substituindo as expressões metonímicas por expressões equivalentes.
c) Sob qual é o tipo de relação lógica se estabelece a metonímia encontrada no texto?

Chave de resposta:
a) Todos os itens da receita, exceto “6 ovos”, “manteiga” e “farinha de trigo”.
b) Os alunos devem substituir a unidade de medida de cada ingrediente, por exemplo,”1 lata de leite condensado” por “200 ml de leite condensado”
c) O continente pelo conteúdo.


Cartaz: (Recomenda-se que o professor faça projeção com auxílio de aparelho de datashow, a fim de que o cartaz possa ser apresentado em cores.)

undefined

Disponível em: http://www.franciscanos.org.br/noticias/noticias_especiais/cf_181206/imagens/CartazCF2007oficial.jpg, acessado em 12 set. 2009.

a) Qual é o objetivo deste texto?
b) O que representa o solo rachado em contrate com as águas?
c) O que representa a vitória-régia?
d) O que representa a imagem da criança?
e) O que podem representar as três flores brancas?
f) A que tipo de metonímia remete a maneira como são construídos os sentidos desse texto?

  • Depois que os alunos tenham respondido às questões de “a” a “f”, sugere-se que o professor lhes apresente o texto a seguir, que é uma explicação do cartaz e contém as respostas a essas questões (exceto à “f”). (Recomenda-se que o professor utilize material impresso ou faça projeção com auxílio de aparelho de datashow.)
Explicação do cartaz
Fraternidade e Amazônia “Vida e missão neste chão”

Na parte superior do Cartaz, a terra seca e rachada representa a realidade de algumas partes da Amazônia durante a estiagem e adverte que, sem o devido cuidado, toda a região pode ser destruída.
A abundante presença da água lembra que a Amazônia é uma importante reserva de água doce no planeta, além de transmitir uma sensação de transparência, força e vitalidade.
O elemento princi pal do Cartaz é a vitória-régia, conhecida pelos índios como “panela de espíritos”. Considerada um dos símbolos da Amazônia, essa planta é forte e tem raízes profundas que tocam o leito do rio; ao mesmo temp o, é sensível, assim como o povo nativo da região, que sobrevive com muita garra, mas precisa do apoio fraterno de toda a sociedade brasileira.
As três flores brancas e amarelas têm extrema relevância no Cartaz, uma vez que representam a Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo. Essas flores lembram que a Amazônia é obra de Deus Criador e Providente entregue aos nossos cuidados.
A criança representa os índios e toda a comunidade da região, suas crenças, sonhos e esperanças. Seu olhar inocente e o sorriso sutil são um convite à superação das dificuldades e à construção de um futuro melhor para a Amazônia.
Ao mostrar o contraste entre a terra seca e a exuberância da água, o Cartaz chama a atenção para a devastação da Amazônia e o descaso com a vida. Representa a esperança de encontrar uma solução para os conflitos da região com base na solidariedade e no respeito às diferenças.

Disponível em:http://images.google.com.br/imgres?imgurl=http://br.geocities.com/pastoralcalabria/CartazCF2007oficial.jpg&imgrefurl=http://br.geocities.com/pastoralcalabria/cf2007.html, acessado em 12 set. 2009.
  • No segundo momento da aula, serão abordadas as seguintes figuras de linguagem: ironia, eufemismo e hipérbole.
  • Inicialmente, o professor deve apresentar a charge “Aborto clandestino” aos alunos e solicitar que eles resolvam as questões seguintes. (Recomen da-se que o professor faça projeçã o com auxí lio de aparelho de da tashow, afim de que a charge possa ser apresentada em cores.)


Fonte: http://1.bp.blogspot.com/_xRO2CNmrp mQ/RnZ2eJSYopI/AAAAAAAAADs/dJlNxy9Z9Ys/s400/chargeangeli299.gif, acessado em 12 set. 2009.

a) Qual é função do título da charge?
b) A paciente parece relaxada? Por quê?
c) De quem pode ser a fala que está sob a ilustração?
d) Indique e explique o paradoxo presente nessa fala.

  • Depois que os alunos tenham respondido às perguntas de “a” a “d”, o professor deve apresenta r-lhes a definição de ironia e pedir que respondam à questão “e”.
Ironia

Português < td> = Consiste no emprego de palavras, expressões ou períodos que quer em dizer o contrário do que está sendo dito. Ex: Com um governo desses não há por que se preo cupar com o futuro.In: MAIA, João Domingues. : volume único: livro do professor. 2 ed. São Paulo: Ática, 2005.

e) Explique o humor da charge.

Chave de resposta:
a) O título é a chave para compreendermos a cena, pois, com essa informação, excluímos se tratar, por exemplo, de uma cirurgia de a pêndice num hospital legalizado.
b) Não. (Os alunos devem descrever a cena para explicar a tensão da paciente.)
c) Provavelmente do médico que atende à paciente.
d) “Nossa clínica [...] ganhou recentemente a benção do papa”. Esse paradoxo ancora-se no fato de se tratar de uma clínica de aborto, algo condenado pela Igreja Católica, da qual o papa é o maior representante.
e) O humor da charge se constrói justamente pela ironia presente na fala ao dizer que a paciente “está em boas mãos” e que a clínica é “super equipada e esterilizada”. Tais informações são divergentes do que se mostra n a ilustração. 

  • Para tratar de eufemismo, o professor deve apresentar aos alunos os seguintes trechos acompanhados das questões de “a” a “c”: (Recomenda-se que o professor utilize material impresso.)
“Em 1983, Garrincha pa rtiu desta para melhor, vencido pelo álcool e seguidas contusões que termina ram por afastá-lo dos campos. Sua memória, no entanto, está preservada no Torto Bar, bar temático de Curitiba [...].”
(Fonte: http://www.cupola.com.br/frontpage?page=6, acessado em 12 set. 2009)

“Ícone de várias gerações, o cantor Michael Jackson nos deixou órfãos de sua genialidade artística, semana passada. Além do seu talento musical, não podemos deixar de falar, é claro, do seu estilo inegável!”
(Fonte: http://www.bolsademulher.com/moda/Estilo_michael-84719-1.html, acessado em 12 set. 2009)

a) Qual é o assunto tratado por esses trechos?
b) No que diz respeito à linguagem utilizada, identifique a semelhança existente entre as partes destacadas nos trechos.
c) Reescreva as partes em destaque nesses trechos, colocando os dizeres em outras palavras.

Chave de resposta:
a) O primeiro trata da morte de Garrincha, ao passo que o segundo trata da morte de Michael Jackson.
b) Ambos se referem à morte das personalidades de forma amenizada.
c) Espera-se que os alunos noticiem a morte das referidas personalidades de forma não eufêmica.

  • Após ter realizado a correção desse exercício com os alunos, o professor deve apresentar-lhes a definição de eufemismo.

Eufemismo = Consiste em atenuar o que é desagradável por meio da substituição de palavras ou expressões graves, diretas, por outras mais suaves. Ex: Ir para o reino de Deus (=morte).

In: MAIA, João Domingues. Português: volume único: livro do professor. 2 ed. São Paulo: Ática, 2005. (Texto adaptado)

  • Por fim, o professor deve apresentar aos alunos o seguinte comentário sobre uma reportagem publicada em uma revista de circulação nacional, a fim de que eles possam compreender a hipérbole. (Recomenda-se que o professor utilize material impresso.)

undefined

Fonte:http://veja.abril.com.br/acervodigital/, acessado em 12 set. 2009. (Edição 2065, 18 de junho de 2008)

  • Após a leitura do comentário, o professor deve conduzir os alunos a uma reflexã o sobre a constituição do sentido do texto por meio das questões de “a” a “c”, a seguir.

a) O leitor c ons idera a venda da Varig para a Gol um representativo do cenário político brasileiro e emite a sua opinião sobre esse cenário. Qual é essa opinião?
b) O leitor manifesta algum sentimento em seus dizeres? Qual (is)? Explique.

  • O professor deve, então, apresentar aos alunos o conceito de hipérbole.
Hipérbole = baseia-se no exagero proposital de idéias ou sentimentos. Ex: A cidade amanheceu sob um dilúvio.
Ousada ou fantasista, a hipérbole serve à poesia ou para expressar sentimentos calorosos. Porém, seu emprego abusivo tem levado ao empobrecimento dos efeitos, sobretudo na linguagem publicitária e jornalística.

In: MAIA, João Domingues. Português: volume único: livro do professor. 2 ed. São Paulo: Ática, 2005.
  • Finalmente, o professor deve fazer a seguinte demanda aos alunos:

c) Transcreva em outras palavras os trechos “[...] estamos num país não apenas mal governado, mas que representa o cen tro de um furação de imoralidade púb lica, um turbilhão de demagogia, mentira e mal-caratismo” e “Situação estapafúrdia, ambiente nocivo e constrangedor na República. Um autentico festival de grotesca falta de vergonha na cara”, transformando-os em discursos menos inflamados, o mais objetivos possível. 

Chave de resposta:
a) Ele acha a situação política brasileira uma vergonhosa para o país, tendo em vista os inúmeros flagrantes de corrupção e, a seu ver, ineficiência governamental
b) Ele manifesta sentimentos como indignação, raiva e impaciência, que podemos perceber pela maneira inflamada como constrói o seu comentário.
c) Espera-s e que os alunos tornem o discurso mais brando, retirado as ocorrências de hipérbole.

AVALIAÇÃO

1. (VUNESP – Questão adaptada) No trecho “... dão um jeito de mudar o mínimo para continuar mandando o máximo”, a figura de linguagem presente é chamada:
a) Metáfora
b) Hipérbole
c) Metonímia
d) Antítese


2. ( PUC-SP – Questão adaptada) No Trecho: “nem um dos autores nacionais ou nacionalizados de oitenta pra lá faltava na estante do major”, encontramos a seguinte figura de linguagem:
a) Hipérbole
b) Antítese
c) Eufemismo
d) Metáfora


Fonte:http://www.coladaweb.com/questoes/portugues/figling.htm, acessado em 17 set. 2009.

3. Analise a publicidade abaixo:
undefined

Fonte: http://www.portalimpacto.com.br/docs/1Erika1ANOAula42e43e44e45e46.pdf, acessado em 17 se t. 2009

Quanto a o uso da conotação no texto, temos que ela é representada por:
a) imagens metafóricas evidenciadas pela representação dos atores sociais por lâmpadas
b) imagens hiperbólicas representadas pela quantidade de lâmpadas
c) imagens eufemísticas já que, ao serem apagadas, as lâmpadas sintetizam o que ocorre com aqueles que não lêem
d) transposição metonímica já que as pessoas são simbolizadas através das lâmpadas.


(Questão adaptada) Nos exercícios de números 4 a 11, faça a associação de acordo com o seguinte código:
A) ironia B) hipérbole  C) paradoxo D) antítese E) eufemismo F) comparação 


4. ( ) “Na chuva de cores/ Da tarde que explode/ A lagoa brilha (Carlos Drummond de Andrade)
5. ( ) “Se eu pudesse contar as lágr imas que chorei na véspera e na manhã, somaria mais que todas as vertidas desde Adão e Eva. “(Machado de Assis)
6. ( ) “Todo sorriso é fe ito de mil prantos,/ toda vida se tece de mil mortes.”( Carlos de Laet)
7. ( ) “Residem juntamente no teu peito/ Um demônio que ruge e u m deus que chora.” (Olavo Bilac)
8. ( ) “Quando a indesejada das gentes chegar.” (Manuel Bandeira)
9. ( ) “Voando e não remando, lhe fugiram. “ (Camões)
10. ( ) “O dinheiro é uma força tremenda, onipotente, assombrosa.” ( Olavo Bilac)
11. ( ) “Moça linda, bem tratada, três séculos de família, burra como uma porta: um amor.” (Mário de Andrade)
12. ( ) “... como um lustro de seda dentro de um confuso montão de trapos de chita.” (Raquel de Queirós)

Fonte: http://www.portrasdasletras.com.br/pdtl2/sub.php?op=exercicios/docs/fig uras-exercicios, acessado em 17 set. 2009.

  • Para finalizar a avaliação, o professor deve pedir aos alunos qu e se reúnam em trios, sorteiem uma das figuras de linguagem estudadas e construam a propaganda de um produto utilizando como recurso a figura de linguagem sorteada.
  • Os alunos devem expor, para a turma, o seu trabalho, o qual será avaliado em propriedade de uso da figura de linguagem sorteada e em criatividade.
Recursos Complementares

Observação: Os links da Revista VEJA não conduzem diretamente às páginas consultadas. O professor deve, portanto, acessar o sítio de revista (http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx) e procurar a edição que informamos ter sido utilizada como fonte.

Avaliação

Além de o professor avaliar os alunos pela discussão (correção) dos exercícios colocados durante a aula, sugere-se que o professor os avalie também a partir dos exercícios apresentados, como sugestão de AVALIAÇÃO, na seção de "Estratégias e recursos da aula". Trata-se de um pequeno exercício de reconhecimento, para que os alunos possam rememorar o que foi aprendido durante a aula. (Recomenda-se que o professor utilize material impresso.)

Opinião de quem acessou

Quatro estrelas 8 classificações

  • Cinco estrelas 6/8 - 75%
  • Quatro estrelas 1/8 - 12.5%
  • Três estrelas 0/8 - 0%
  • Duas estrelas 1/8 - 12.5%
  • Uma estrela 0/8 - 0%

Denuncie opiniões ou materiais indevidos!

Opiniões

  • Silviene, Colégio Municipal Profª Maria Isabel D. Simão , Rio de Janeiro - disse:
    silvienef@gmail.com

    15/09/2013

    Cinco estrelas

    Aula criativa, dinâmica e clara. Não deixou nenhuma dúvida sobre o assunto. Todas as atividades foram comentadas e explicadas. Excelente.


  • MÁRCIA RIBEIRO, EE PROFESSORA GERALDA EUGENIA DA SILVA , Minas Gerais - disse:
    marciaribeirodealmeida@gmail.com

    23/05/2013

    Quatro estrelas

    Boa noite! Sua aula ficou ótima, vou usá-la para melhora as minhas aula.


  • arlan, colegio estadua inacio tosta filho. , Bahia - disse:
    arllanblack@gmail.com

    14/08/2012

    Cinco estrelas

    foi muito bom ter este conteudo para estudar.


  • jennifer, ñ sei , Rio Grande do Sul - disse:
    jenni.bonatto@hotmail.com

    29/11/2011

    Cinco estrelas

    Muito obrigado.pois isso me ajudou muito num trabalho q tive q fazer.bjus vlw


  • igor, elite , Rio de Janeiro - disse:
    igoormoonteiro1000@gmail.com

    09/11/2011

    Duas estrelas

    As explicações são boas, mas poderia haver mais exercícios no site.


  • Valdeci de Souza Nascimento, secretaria do governo do estado de Rondonia , Rondônia - disse:
    valdenascimento@gmail.com

    04/11/2011

    Cinco estrelas

    gostei muito desse show de aula... sensacional!!


  • sonia de fatima silva gondim, Colégio Estadual Barão do Rio Branco , Rio de Janeiro - disse:
    sgondim@prof.educacao.rj.gov.br

    26/07/2010

    Cinco estrelas

    Aula excelente. Vou estudá-la e trabalhá-la em sala de aula.


  • Suely Maria Rodrigues, Maria Alves Carioca , Distrito Federal - disse:
    suely1911@yahoo.com.br

    24/03/2010

    Cinco estrelas

    Achei bastante diversificado o material usado para a elaboração da atividades.Textos que estimulam a leitura .as perguntas são bem criativas e bem elaboradas. Gostei bastante,pois despertam a reflexão.


Sem classificação.
REPORTAR ERROS
Encontrou algum erro? Descreva-o aqui e contribua para que as informações do Portal estejam sempre corretas.
CONTATO
Deixe sua mensagem para o Portal. Dúvidas, críticas e sugestões são sempre bem-vindas.